nsc
dc

Meio ambiente

Veleiro da UFSC volta aos mares e busca apoio para implantar soluções ambientais em SC

Projeto percorre os mares de todo o Brasil coletando amostras para analisar o nível da poluição e propor soluções

10/09/2021 - 06h00

Compartilhe

Fernanda
Por Fernanda Mueller
Veleiro já fez expedições por locais como a Ilha do Arvoredo, Ilha do Campeche e Ilha de Ratones
Veleiro já fez expedições por locais como a Ilha do Arvoredo, Ilha do Campeche e Ilha de Ratones
(Foto: )

Com atividades paradas desde o início da pandemia, o Veleiro Eco UFSC retomou as expedições em Santa Catarina que avaliam o nível de poluição dos oceanos. O projeto, que percorre os mares de todo o Brasil, começará uma ação de recuperação ambiental da Baía de Paranaguá, entre Paraná e São Paulo, e busca apoio para implantar soluções em SC.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O veleiro já fez expedições por locais como a Ilha do Arvoredo, Ilha do Campeche e Ilha de Ratones, em Florianópolis. Os pesquisadores coletam microplásticos depositados no mar e amostras do fundo do oceano para avaliar como está a biodiversidade da região.

A partir dessa análise do nível da poluição, o objetivo é propor soluções para recuperaração ambiental, como explica o professor coordenador do projeto, Orestes Alarcon. 

— Não adianta nada você fazer diagnósticos e não propor soluções. Uma das soluções que estamos tendo uma aceitação muito boa é a biorremediação com algas. É limpar o mar com cultivo de algas — diz o professor.

> Água da Lagoa da Conceição tem alto índice de vírus que causa infecções, aponta laudo da UFSC

Soluções baseadas na natureza 

— A engenharia sempre encontra soluções, mas os custos de recuperação usando tecnologia são muito caros, precisa estar disposto a pagar. E quanto mais demora, mais caro é. Por isso, as soluções baseadas na natureza são uma alternativa. A biorremediação com algas é uma tendência que o mundo todo está adotando — explica Alarcon.

Além da redução da poluição a biorremediação de algas, também traz retorno para a comunidade. As algas que limpam a água contaminada podem ser transformadas em produtos de higiene, cosméticos e até alimentos.

Pesquisadores coletam amostras do fundo do oceano para avaliar como está a biodiversidade da região
Pesquisadores coletam amostras do fundo do oceano para avaliar como está a biodiversidade da região
(Foto: )

O coordenador do Veleiro Eco UFSC explica que está na fase final de implantação desse projeto na Baía de Paranaguá, no canal do Varadouro — que liga as cidades de Paranaguá (PR) e Cananéia (SP). O local está cada vez mais poluído por conta do porto e de ocupações irregulares.  

— A gente gostaria mais de fazer o projeto aqui [em Santa Catarina]. Já apresentamos propostas para a biorremediação da Lagoa da Conceição [em Florianópolis], que está no limite de contaminação, mas não foi aprovado. Apesar de todo o esforço que Casan e prefeitura fazem, a gente vê que o processo não está revertendo — relata o professor. 

Orestes lembra que a Lagoa da Conceição já estava em avançado estado de contaminação antes do rompimento da barragem de rejeitos da Casan no início do ano, mas o desastre foi, segundo ele, "a gota d'água". Com isso, o objetivo do projeto é conseguir apoio para fazer ações também em Santa Catarina.

Leia também:

Encalhe de baleias-jubarte bate recorde no Brasil; SC é o Estado com mais casos

Tartaruga rara com mais de 200 quilos é encontrada morta no Litoral de SC

"Mudanças climáticas já estão a pleno vapor”, afirma pesquisador da UFSC sobre frio extremo em SC

Baleia-jubarte: canto, saltos e hábitos das espoletas que vieram para SC

Colunistas