A vereadora Tati Teixeira (PSD), candidata à vice-prefeita de Criciúma na chapa de Cleiton Salvaro (PSB), falou na tarde desta quinta-feira sobre a desistência do companheiro de chapa. Durante coletiva de imprensa, Tati leu uma declaração de quase duas páginas, onde falou sobre a sua trajetória na política, os convites recebidos por outros partidos e sobre a decisão de Salvaro, que ela considerou uma “apunhalada pelas costas”.

Continua depois da publicidade

“O gestor de Criciúma tem de se comportar como um líder da região sul”, diz Cleiton Salvaro em Criciúma

A candidata do PSD disse que ficou sabendo da desistência por terceiros, e que tentou inúmeras vezes falar com Cleiton ao telefone. À tarde, ele retornou a ligação e se justificou brevemente, segundo ela.

— Eu questionei, perguntei se tinha certeza do ato, das consequências que isso causa. Ele deu a justificativa, muito rápida, e depois não conversamos mais.

Questionada sobre a possibilidade de Cleiton ter entrado na campanha já com a intenção de desistir, Tati disse que é “impossível as pessoas terem essa capacidade”, e que não quer acreditar nesse cenário.

Continua depois da publicidade

— O que vale é o que ele disso para mim no telefone. Dois Salvaros né, que o parceiro dele nesse momento tem uma grande força, o Clésio — resumiu.

Criciúma tem início de campanha marcado por trocas de acusações e batalhas de bastidores nos tribunais

Até o momento, Tati disse que ainda não decidiu que rumo irá tomar. Ela falou sobre a possibilidade de concorrer à prefeita, mas sabe que não será possível por conta do prazo eleitoral, que encerrou na última segunda-feira. Tati irá seguir o compromisso com a coligação na proporcional e se manter ativa junto à campanha dos vereadores, enquanto decide quem irá apoiar.

— Se eu quisesse pensar só em mim, eu teria tomado lado ontem. Eu não posso ser irresponsável de não aceitar pela cidade, e acredito que o partido vai respeitar a minha decisão no momento certo, na hora certa — resumiu.

Continua depois da publicidade

Na nota oficial, Tati disse que diferentes partidos a procuraram antes da formação das coligações, inclusive com a proposta para lançar a candidatura como prefeita. Contudo, ela respeitou a decisão do partido de se unir ao PSB e a outros dez partidos.Ela admitiu que pensou em desistir do pleito no último dia 12, inclusive assinou a carta de renúncia e registrou em cartório, mas mudou de ideia pois “o compromisso com o projeto era maior e minha missão com a cidade também”, justificou.

Destaques do NSC Total