nsc
dc

Temporais

VÍDEO: "Nossa família iria acabar", conta homem que foi socorrido no alto de uma árvore com a família no Oeste de SC

Em entrevista, sobreviventes falaram sobre as duas horas de espera por socorro de helicóptero

15/07/2015 - 14h23 - Atualizada em: 15/07/2015 - 17h00

Compartilhe

Por Redação NSC
Clairton e o filho Bruno esperaram pelo socorro juntos
Clairton e o filho Bruno esperaram pelo socorro juntos
(Foto: )

Uma fileira de pés de cinamomo que por pouco não foram cortados acabaram sendo a salvação dos cinco integrantes da família Lauxen, resgatados de helicóptero no interior de Saudades, na terça-feira.

Clairton Lauxen 41 anos, o filho Bruno Lauxen, 13 anos, e o irmão Alexandre Lauxen, 38 anos, se amarraram com uma corda num dos pés de cinamomo para não serem levados pela correnteza do rio Saudades, que transbordou. Na outra árvore ficaram Vanderlei Lauxen, 40 anos, e a esposa Janice. Todos moram na mesma propriedade.

Defesa Civil confirma duas mortes por causa das chuvas

Confira imagens dos temporais em Santa Catarina

Além da agricultura, eles tinham um camping que complementava a renda da família.

No início eles ficaram no chão agarrados ao tronco. Mas depois, com a água começando a bater no peito e saltar no rosto, conseguiram subir nos galhos. A família chamou os bombeiros mas eles não conseguiam chegar com o bote. Os Lauxen ficaram nas árvores por cerca de duas horas, torcendo para que troncos de árvores não os atingissem, até que o helicóptero do Serviço Aeropolicial da Fronteira, Saer/Fron, da Polícia Civil, resgatou as vítimas.

Agarrado ao pé de cinamomo, Clair viu a casa ser levada pela correnteza. Casa que por pouco não foi o local escolhido para se protegerem. Mas algo os conduziu aos pés de cinamomo, que não serão mais cortados e, ao contrário, devem receber placas para lembrar o dia em que a vida venceu a morte.

Exceto Janice, que está chocada e não quer mais voltar ao local do resgate, os demais contaram como foram as horas que lutaram pela sobrevivência.

Como vocês acabaram ilhados?

Clairton - Resumindo eu fui às 5h30 ver o rio (Saudades) e estava com menos água do que está hoje (quarta-feira). Fui para casa, fiz um chimarrão, tomei duas cuias e fui olhar de novo. Tinha subido 30 centímetros. Nisso minha esposa foi para a cidade trabalhar na escola. Quando desci a terceira vez o rio estava fora do barranco. Aí chamei meus irmãos para ajudar a erguer o alambrado do campo e guardar as coisas do camping que temos na propriedade.

Mas como vocês ficaram ilhados?

Vanderlei - A gente começou a erguer as coisas pois o rio nunca tinha subido de um determinado ponto. Quando começou a subir mais foi que nós resolvemos ir para o lado das árvores. A água estava abaixo da cintura. Mas a correnteza era tão forte que um tinha que ajudar o outro.

Alexandre - No meio do caminho a gente pensou até em voltar e se proteger em cima do telhado da casa, mas como a correnteza estava aumentando resolvemos continuar.

Como vocês ficaram nas árvores?

Alexandre - Ficou Bruno encostado no tronco, o pai dele atrás e depois eu. A gente tinha que ficar só com um pé no chão depois trocar pois não tinha espaço e a correnteza não deixava. Depois foi ficando frio e a água batia no rosto. Daí colocamos o Bruno nos galhos e conseguimos subir um pouco.

Clairton - Os galhos passavam do lado como uma faca e a água fazia ondas como o mar.

Como foi ficar esse tempo todo com a correnteza, o que vocês pensaram?

Clairton - Era tão feio que não tive medo, só conseguir ter emoção depois que pisei no chão.

Vanderlei - Eu procurei ficar tranquilo. Só minha esposa ficou assustada, chegou a gritar por socorro, vomitou.

Alexandre - Nós só torcíamos para que não viesse uma árvore grande em nossa direção. Teve uma que passou perto e chegou a afundar no chão.

O que passou pela cabeça de vocês

Clairton - Pensava em sobreviver, porque nossa família iria acabar. O que passamos aqui ninguém merece, aqui era uma alegria e agora está assim.

Vocês sabiam que viria resgate?

Vanderlei - A gente passou duas horas com a correnteza vindo e ameaçados pelos troncos de árvores. Nós não sabíamos se viria resgate pois não dava para chegar por causa da correnteza. E conseguir um helicóptero seria difícil.

Como foi quando vocês viram o helicóptero?

Clairton - O Bruno me disse: "Pai, eu vou jogar bola contigo naquele campo". Ele passou muita coisa para um piá de 13 anos. Eu abracei ele e disse, agora você já pode ser chamado de homem.

Qual o sentimento agora?

Alexandre - Temos a vida para construir isso tudo de novo. Estamos vivos para construir.

E em relação a essas árvores salvadoras, vão fazer alguma coisa.

Alexandre - A gente até tinha pensado em cortar essa fileira mas agora vamos deixar e colocar uma placa em cada uma delas.

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Cotidiano

Colunistas