nsc
    santa

    França

    Agressão a policial no Louvre teve "caráter terrorista", afirma primeiro-ministro francês 

    Suspeito foi alvejado e está gravemente ferido após ter agredido um militar com um facão

    03/02/2017 - 04h53 - Atualizada em: 03/02/2017 - 07h36

    Compartilhe

    AFP
    Por AFP
    (Foto: )

    Aos gritos de "Alá é grande", um homem atacou soldados com um facão próximo ao Museu do Louvre, nesta sexta-feira. O suspeito foi gravemente ferido após ser alvejado por um militar. De acordo com o primeiro-ministro francês, Bernard Cazeneuve, a ação do agressor teve "caráter terrorista".

    O soldado atacado ficou levemente ferido, enquanto o suspeito foi atingido na barriga e está em estado de saúde grave, conforme o chefe de polícia de Paris, Michael Cadot.

    — Após verificar o conteúdo de duas mochilas que ele carregava em suas costas, constatamos que não havia explosivos — afirmou.

    (Foto: )

    Leia mais

    União Europeia se reúne em Malta e discute Brexit, migração e Trump

    Trump discute com primeiro-ministro australiano por telefone

    Senado dos EUA confirma Rex Tillerson como secretário de Estado

    O ataque acontece em um contexto de forte ameaça extremista islâmica na França, atingida por uma série de ataques jihadistas nos últimos dois anos. De acordo com o chefe da polícia, o agressor estava armado com pelo menos um facão e correu em direção aos policiais no Carrousel du Louvre, centro subterrâneo de compras que fica próximo à entrada do museu. O homem fazia ameças e gritava "Allah Akbar".

    Um militar reagiu e disparou cinco vezes, atingindo o estômago do agressor.

    — Acredito ter se tratado de um ataque de uma pessoa que tinha um desejo claro de agredir, que era evidentemente ameaçador e que proferia palavras sugerindo que queria fazê-lo em um contexto terrorista — indicou o comissário da polícia.

    (Foto: )

    Cerca de 250 pessoas estavam no museu no momento do ataque. O público foi mantido afastado e confinado em uma parte do Louvre, segundo Cadot. A área externa do ponto turístico, que atrai milhares de visitantes todos os dias, foi isolado pela polícia.

    A França está sob o regime excepcional de estado de emergência desde os ataques em novembro de 2015, que causaram 130 mortes, em Paris. Soldados patrulham diariamente as ruas e locais turísticos da capital francesa.

    Atingida duas vezes em 2015 por ataques extremistas sem precedentes, a França vive com medo de novos ataques, apesar de um aparato de segurança drasticamente reforçado.

    O grupo Estado Islâmico, que tem perdido terreno no Iraque e na Síria, onde proclamou um califado, em 2014, ameaça a França em retaliação à participação do país na coalizão militar internacional que combate os extremistas nos dois países.

    O EI também defende ataques contra os "infiéis" sempre que possível e tenta exportar para a Europa, graças aos extremistas que retornam da Síria, com um mandato para conduzir operações em solo europeu.

    (Foto: )

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas