publicidade

Esporte

Após terminar na lanterna do NBB, Basquete Joinville planeja próxima temporada

Time seria rebaixado, mas brecha no regulamento pode manter equipe na competição

06/04/2019 - 08h50 - Atualizada em: 07/04/2019 - 13h36

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Diretor Kelvin Soares e presidente Bernardo Marchesini
Diretor Kelvin Soares e presidente Bernardo Marchesini
(Foto: )

O Basquete Joinville encerrou a temporada amargando a última colocação no Novo Basquete Brasil (NBB) e estaria rebaixado para a Liga Ouro, de acordo com o regulamento da competição. Na edição deste ano, os joinvilenses fizeram 26 jogos, acumulando 21 derrotas em um aproveitamento de 19,2%. No entanto, o time ainda pode escapar da queda porque a divisão de acesso deve sofrer mudanças para a próxima temporada.

O regulamento do NBB prevê no artigo 276 que a última colocada na fase de classificação "estará automaticamente rebaixada para a Liga Ouro na temporada seguinte". Porém, o artigo 279 diz que, em caso de outra entidade passar a ser responsável pela organização da Liga Ouro - hoje administrada pela Liga Nacional de Basquete - ou outra competição similar na temporada 2020, o conselho de administração da LNB vai decidir se a última colocada será rebaixada ou não.

Em março deste ano, a LNB e a Confederação Brasileira de Basketball (CBB) emitiram nota oficial confirmando a extinção da Liga Ouro e a criação do Campeonato Brasileiro de Basquetebol Adulto para 2020. A antiga competição era organizada pela Liga Nacional, enquanto o novo torneio será de responsabilidade da confederação. Por isso, a diretoria do Basquete Joinville acredita na permanência do clube na disputa do NBB.

O presidente Bernardo Marchesini admite que o resultado não atingiu o objetivo traçado pela diretoria no início do campeonato. Para ele, a equipe teve erros e acertos durante o ano, mas a temporada foi de muito aprendizado para todos, assim como já havia acontecido na disputa da Liga Ouro, em 2017, e da NBB, em 2018.

— Só participar do campeonato já é manter o projeto em um nível máximo no esporte, mas a gente ainda quer mais e não podemos fugir do resultado. Não foi o que gostaríamos — resume.

O diretor da equipe, Kelvin Soares, acredita que o desempenho insatisfatório na competição deste ano se deu pela elevação do nível técnico do NBB. Isso porque houve o retorno do São José - três vezes vice-campeão -, o ingresso do Corinthians com um alto investimento e a redução no número de equipes no torneio.

— Nós tínhamos um elenco tecnicamente mais capaz do que o último NBB, mas ele não deu conta do desafio. Agora, queremos ter um elenco melhor e mais qualificado, além de oferecer uma estrutura ainda melhor do que já oferecemos — explica.

Kelvin Soares é o diretor do Basquete Joinville
Kelvin Soares é o diretor do Basquete Joinville
(Foto: )

Aumento do investimento e reformulação do elenco

O orçamento da equipe vem crescendo anualmente, desde a retomada do projeto há três anos. Em 2017, foram investidos R$ 670 mil na disputa da Liga Ouro e o time terminou como vice-campeão, conquistando o direito de subir para o NBB. No ano seguinte, já na elite do basquete brasileiro, os joinvilenses gastaram R$ 1,98 milhão e terminaram na 13ª colocação - acima do rebaixamento, mas sem a classificação para os playoffs.

O Basquete Joinville fechou o orçamento para este ano em aproximadamente R$ 2,3 milhões e agora o planejamento é de elevar o investimento para R$ 5 milhões de olho na próxima edição do NBB. Para isso, a diretoria está conversando com os patrocinadores para garantir a permanência deles no projeto e a revisão dos valores.

— Se precisamos de resultados melhores, também temos que fazer um investimento maior para contratação de atletas e na estrutura da equipe. A gente já tem tido uma resposta muito satisfatória dos nossos patrocinadores — conta Kelvin.

O diretor afirma que a segunda etapa será a formação do elenco, que vai sofrer uma reformulação visando maior qualidade para se tornar mais competitivo. Nos últimos meses, já houve a saída dos jogadores Lucas Vezaro, Jefferson Socas e William Weihermann, que receberam propostas. Também haverá mudanças na comissão técnica. O treinador Daniel Lazier deve permanecer no comando do time, que ganhará um novo preparador físico um fisioterapeuta.

O atual preparador chegou ao clube de forma paliativa em janeiro, durante a disputa do NBB, e agora o Basquete Joinville contratará um profissional em definitivo. Nesta temporada, o trabalho de fisioterapia já era realizado em uma clínica da cidade, mas o planejamento agora é também ter um profissional dedicado exclusivamente para o clube e em contato diário com os atletas.

Após o fim do NBB para o time joinvilense, os jogadores entraram em férias até 30 de abril. O objetivo da diretoria é estar com elenco e comissão técnica fechados até o início da temporada, em 1º de junho. A primeira competição oficial será o Campeonato Catarinense, com início previsto entre julho e agosto. A nova edição do NBB deve começar em outubro.

Deixe seu comentário:

publicidade