nsc
dc

Atenção

Como se prevenir e cuidar de picadas de animais peçonhentos

Centro de Informações Toxicológicas e Corpo de Bombeiros são os lugares adequados para pedir informações sobre esses animais

16/02/2016 - 07h17 - Atualizada em: 16/02/2016 - 09h35

Compartilhe

Por Redação NSC
Centro de Informações Toxicológicas oferece atendimento 24 horas para orientações sobre animais peçonhentos
Centro de Informações Toxicológicas oferece atendimento 24 horas para orientações sobre animais peçonhentos
(Foto: )

Não tente bancar o Tarzan ou Chuck Norris da selva e muito menos o protagonista do programa À Prova de Tudo, do Discovery Channel. Ao encontrar alguma serpente na sua residência, quintal ou rua se afaste e chame os bombeiros se for necessário tirá-la do caminho. Além do perigo de animal ser peçonhento e usar de uma mordida venenosa para se defender, as cobras possuem dentes que podem geral ferimentos e infecionar devido as bactérias da boca. Ainda assim, qualquer dúvida pode ser esclarecida com o Centro de Informações Toxicológicas (CIT), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Veja mais notícias de Estilo de Vida

Adolescente é picado por jararaca em Governador Celso Ramos

Cobra peçonhenta é encontrada em Corupá

Na última semana, foram noticiadas a presença de três cobras, dentro de residências em casas catarinenses - uma delas venenosa. Com o verão e a época de maior umidade, a atividade dos répteis aumenta, assim como o número de casos de picadas atendidos no CIT. Ao todo o Centro trata 12 mil novos casos de intoxicação por ano, sendo 25% deles casos de animais peçonhentos.

Serpente de 4 metros estava dentro de casa em São Francisco do Sul

Casal encontra serpente na garagem, em Schroder

O CIT tem um serviço de atendimento que funciona 24 horas para sanar dúvidas de qualquer pessoa que passe por uma situação de intoxicação e contato com animais peçonhentos. Através de um número de WhatsApp, fotos dos animais ou feridas causadas por suas picadas podem ser recebidas diretamente das vítimas. Há ainda um 0800 para o atendimento. Os telefones servem para passar orientações tanto para cidadãos quanto para médicos que estão com algum paciente intoxicado. O atendimento serve para serpentes, mas também para aranhas, escorpiões, lagartas, medicamentos, agrotóxicos, produtos de limpeza e até mesmo drogas.

— Estamos sempre de plantão. Sugerimos que a pessoa mande fotos ou informações pelo WhatsApp e nos ligue no 0800 para esclarecer o fato — explica a coordenadora do CIT, Marlene Zanini.

O centro funciona em parceria da UFSC com a Secretaria de Saúde do Estado de Santa Catarina e é referência do assunto no Estado. Médicos, biólogos e farmacêuticos trabalham em cooperação para diagnosticar sintomas e estabelecer a melhor forma de tratamento. Marlene ressalta que todos os detalhes são importantes para o diagnóstico preciso. Desde o horário da picada, lugar do corpo e lugar da casa em que ocorreu e, claro, os sintomas como dor, inflamação, tonturas.

— Toda a imagem ajuda, mas apenas pelos sintomas podemos definir o correto atendimento. É mito que para usar o soro adequado, é preciso capturar o animal — ressalta a coordenadora do CIT.

Dicas para não se dar mal com os animais peçonhentos

A orientação principal em relação a animais que possam ser peçonhentos é evitar o contato direto. A recomendação é ligar para os bombeiros e pedir ajuda para remover o animal da residência caso esse encontro aconteça dentro de casa.

— De forma alguma as pessoas devem tentar prender o animal ou cutucá-lo. Existem ferramentas corretas para capturá-lo com segurança e encaminhar a serpente para a polícia ambiental — explica Fábio Fregapani Silva, tenente do Corpo de Bombeiros de Florianópolis.

Manter o ambiente domiciliar sempre limpo e livre de sujeira, entulhos e lixo que possam atrair animais como roedores é a dica básica para prevenir a presença de serpentes. Elas geralmente se movimentam em busca de alimento e os ratos são suas principais presas.

— Se encontrar algum animal assim em trilhas, o que pode ser comum, a recomendação é apenas desviar e não perturbar a serpente. Ela está no seu ambiente natural e devemos respeitar isso sem nos colocarmos em risco — explica Fregapani.

TELEFONES UTEIS

Corpo de Bombeiros: 193

Centro de Informações Toxicológicas: 0800 643 5252

Centro de Informações Toxicológicas WhatsApp: (48) 9902 2683

Colunistas