nsc
    dc

    Vai demorar

    Julgamento do caso Fifa e de Marin deve ter início em fevereiro de 2017

    Os processos abertos nos Estados Unidos incluem 40 pessoas

    12/04/2016 - 10h35 - Atualizada em: 12/04/2016 - 10h40

    Compartilhe

    Por Lancepress
    (Foto: )

    A procuradoria de Justiça dos Estados Unidos solicitou que o julgamento do processo por corrupção na Fifa seja marcado para fevereiro de 2017. Estão envolvidos no caso ex-dirigentes latino-americanos da entidade, entre eles o ex-presidente da CBF José Maria Marin.

    — O cronograma proposto a seguir contempla que a seleção do júri comece em 27 de fevereiro de 2017 — escreveu o procurador Robert Capers ao magistrado Raymond Dearie, do tribunal federal do Brooklyn, em uma carta.

    Leia mais:

    Marco Del Nero reassume a presidência da CBF

    CPI do Futebol quer depoimentos de Del Nero, Ricardo Teixeira e vice que recebeu "caixa dois" da CBF

    Aliados da CBF tentam anular depoimento de Del Nero e Teixeira na CPI do Futebol

    De acordo com a agenda descrita pelo promotor, a acusação concluiria a entrega das evidências em 30 de junho. Depois desta data, seria iniciado o período de apresentação de moções, que duraria até janeiro.

    No fim de fevereiro, o processo de seleção do júri teria início, o que pode durar dias ou semanas, até que o julgamento, de fato, comece.

    Os processos abertos nos Estados Unidos devido à corrupção na Fifa incluem 40 pessoas, a maioria delas cartolas do alto escalão do futebol latino-americano e de empresas de marketing esportivo.

    No documento assinado por Robert Capers, a procuradoria lista a situação de todos os indicados no caso. Alguns dirigentes estão presos nos Estados Unidos, como José Maria Marin, enquanto outros estão em seus países aguardando o julgamento dos pedidos de extradição, como o ex-presidente da Conmebol, Nicolás Leoz.

    No relatório, há também aqueles nos quais os EUA não tem informações públicas, como Marco Polo Del Nero, que reassumiu na semana passada a presidência da CBF, Ricardo Teixeira — ex-mandatário da entidade brasileira — e outros sete cartolas sul-americanos. Os dois estão no Rio de Janeiro e negam as acusações. O Brasil não extradita seus cidadãos.

    *LANCEPRESS

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Esportes

    Colunistas