nsc
    dc

    Mistério

    Líder dos Black Blocs é encontrado morto em hotel em Florianópolis

    Leonardo Aguiar Morelli, 53 anos, estaria no Estado para tratar de assuntos ambientais e teria deixado uma carta denunciando crimes cometidos por uma empresa de Joinville

    19/12/2013 - 05h29 - Atualizada em: 19/12/2013 - 08h54

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    Leonardo Aguiar Morelli
    Leonardo Aguiar Morelli
    (Foto: )

    O líder dos grupos Black Blocs, Leonardo Aguiar Morelli, 53 anos, foi encontrado morto em um hotel do Centro de Florianópolis na última segunda-feira, dia 16. Morelli é dirigente da ONG Defensoria Social - que seria um dos braços de apoio dos Black Blocs - e auxiliava na coordenação do grupo no país. Seu corpo não apresentava sinais de violência e a causa da morte seria natural.

    Ele havia chegado à Capital catarinense no sábado e estava prestes a voltar para Curitiba, onde morava. Porém, funcionários do estabelecimento estranharam a sua demora em sair do quarto no horário do check out. Eles tentaram contato por telefone e, sem resposta, entraram no local. Foi quando o encontraram caído, já sem vida, entre duas camas de solteiro.

    A morte dele só veio a público dois dias depois, na noite da última quarta-feira. Segundo o jornalista Altamir Andrade, amigo pessoal de Morelli, ele estava em Santa Catarina para tratar de causas ambientais que o incomodavam nos últimos meses.

    Em setembro, quando também esteve no Estado, Morelli entregou a Altamir uma carta onde fazia graves denúncias contra uma empresa de Joinville, que estaria disponibilizando areia contaminada para a produção de concreto, saneamento básico e pavimentação - o que estaria causando câncer na população.

    Preocupado com problemas de saúde e com as perseguições que sofria, ele teria pedido para o amigo guardar o documento e só divulgá-lo caso algo lhe acontecesse. A carta foi publicada na íntegra no blog de Altamir na noite de quarta.

    Morelli e a empresa que ele denuncia no documento estavam brigando na Justiça: ela o teria processado por denúncias anteriores, sobre o mesmo motivo. A nova vinda ao Estado, no fim de semana, também teve relação com isso: ele estaria com reuniões marcadas para discutir o assunto. No dia que foi encontrado sem vida, Morelli trazia no bolso o cartão do advogado que o defendia na causa contra a empresa.

    Colunistas