nsc
dc

Dia de homenagens

Milhares participam da Marcha dos Vivos em Auschwitz-Birkenau

Marcha anual acontece em homenagem às vítimas do Holocausto

16/04/2015 - 13h17 - Atualizada em: 18/04/2015 - 07h21

Compartilhe

Por Redação NSC
Auschwitz-Birkenau guarda os vestígios do campo onde um milhão de judeus foram mortos pela Alemanha nazista
Auschwitz-Birkenau guarda os vestígios do campo onde um milhão de judeus foram mortos pela Alemanha nazista
(Foto: )

Milhares de jovens judeus de Israel e de outros países, acompanhados de jovens poloneses, participaram nesta quinta-feira à tarde da Marcha anual dos Vivos em homenagem às vítimas do Holocausto no campo de concentração nazista de Auschwitz-Birkenau.

Auschwitz-Birkenau, que guarda os vestígios do campo no sul da Polônia onde um milhão de judeus foram mortos pela Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial, é considerado o símbolo do Holocausto.

- Não acreditem nas palavras mágicas 'nunca mais': já voltou a acontecer. Pensem na Bósnia, no Sudão, em Ruanda. De diferentes maneiras, com diferentes povos, mas aconteceu - declarou Sigmund Rolat, sobrevivente do Holocausto, em uma mensagem aos participantes desta 24ª marcha.

Leia todas as notícias de Mundo

- A Shoah continua a ser única no sentido de que não houve precedentes. Todos os genocídios são trágicos, e guardar a lembrança é a primeira etapa para evitar que eles se reproduzam - acrescentou.

O papa Francisco também enviou uma mensagem aos participantes da marcha.

"Sou muito próximo dessas iniciativas que se pronunciam não apenas contra a morte, mas também contra milhares de fobias discriminatórias que escravizam e que matam", escreveu o pontífice.

Como nos outros anos, os participantes caminharam ao som do schofar, instrumento de sopro utilizado pelos judeus em seus rituais, passando pela entrada do campo, com a inscrição tristemente famosa "Arbeit macht frei" (O trabalho liberta).

Em seguida, eles percorreram a pé a estrada entre Auschwitz, a parte mais antiga do campo, e Birkenau, principal local de extermínio dos judeus, para uma cerimônia de recordação em frente a um memorial internacional.

- Eu cresci lendo sobre este local, aprendendo sobre este local, mas nada te prepara para realidade. É o centro absoluto do mal - declarou à AFP Daniel Eu Salomon, de 36 anos, vindo de Londres.

Segundo Ivan Gabor, de 82 anos, sobrevivente do Holocausto, originário da Hungria, os jovens reunidos nesta quinta-feira em Auschwitz "não compreendem ainda o que é este local, mas vão compreender com o tempo. Eles vão voltar para casa, terão um tempo de reflexão e então vão compreender muito melhor este local".

Leia as últimas notícias do dia

Entre 1940 e o início de 1945, a Alemanha nazista exterminou em Auschwitz-Birkenau cerca de 1,1 milhão de pessoas, incluindo um milhão de judeus de diferentes países europeus.

Este campo, onde cerca de 80.000 poloneses não-judeus, 25.000 ciganos e 20.000 soldados soviéticos também foram mortos, foi libertado pelo Exército Vermelho em janeiro de 1945.

*AFP

Colunistas