publicidade

Esportes
Navegue por

Luto!

Morre ex-goleiro Jairo Nascimento, ídolo do Corinthians e do Caxias de Joinville

O ex-goleiro tinha 72 anos e faleceu em hospital de Curitiba em decorrência de um câncer

06/02/2019 - 17h05

Compartilhe

Redação
Por Redação AN
Jairo Nascimento faleceu nesta quarta-feira em Curitiba
Jairo Nascimento faleceu nesta quarta-feira em Curitiba
(Foto: )

O joinvilense Jairo Nascimento, que fez história como goleiro em clubes tradicionais do futebol brasileiro como Corinthians, Coritiba e Fluminense, faleceu nesta quarta-feira (6) em decorrência de um câncer. O ex-jogador tinha 72 anos e realizava tratamento no Hospital Erasto Gaertner, de Curitiba, onde estava internado desde o dia 23 de janeiro e morreu por volta das 10 horas desta quarta.

Conhecido como Pantera Negra, Jairo lutava contra um câncer no rim e desde o ano passado enfrentava dificuldades para custear o tratamento, que continha medicamentos com custo mensal de cerca de R$ 9 mil. A família dele chegou a fazer uma campanha denominada "Defenda o Jairo", que mobilizou boleiros e torcida, além do próprio Corinthians, que se disponibilizou a arcar com as despesas.

De acordo com o filho dele, Jairo Nascimento Filho, o pai deixa como principal legado À família seu "reconhecimento dentro e fora dos campos como uma pessoa respeitada por sua história e trajetória de vida".

Segundo a família, o velório de Jairo Nascimento terá início as 21 horas na Terceira Igreja do Evangelho Quadrangular, na rua Otávio Francisco Dias, 299 no bairro Água Verde, em Curitiba. O sepultamento deve ocorrer às 15 horas de quinta-feira (7) no Cemitério Vertical, localizado na rua Konrad Adenauer, 940, no bairro Tarumã, também na capital paranaense.

Vida dedicada ao futebol

Jairo nasceu em Joinville e começou a treinar aos 14 anos na categoria de base do Caxias Futebol Clube (que depois uniria-se ao América Futebol Clube para tornar-se o JEC). Aos 16, passou a jogar profissionalmente no time.

Na mesma época, deixou o emprego na fábrica de refrigeradores da Consul para dedicar-se somente ao futebol e, aos 17 anos, já estava a caminho do Rio de Janeiro para ser treinado pelo técnico Telê Santana e ser reserva do então goleiro da Seleção Brasileira, Félix, que era o goleiro titular do Fluminense.

O joinvilense ficou dois anos e meio no time carioca, onde passou boa parte do tempo como reserva, antes de ser contratado pelo Coritiba, na capital paranaense. Lá, permaneceu por 12 anos e iniciou sua fama de invencibilidade: ficou o equivalente a 905 minutos sem tomar gol.

Na mesma época, foi convocado algumas vezes para integrar a equipe da Seleção Brasileira, mas sua única partida oficial foi em uma partida do Brasil contra o Uruguai, no Maracanã, em um jogo válido pela Taça Atlântico e Copa Rio Branco.

Em 1976, foi para o Corinthians, onde confirmou a fama: em 1978, como titular, passou quatro meses sem tomar gol, em um total de 1.131 minutos, considerado um recorde no Campeonato Brasileiro até hoje. No Corinthians, realizou 189 jogos.

Encerrou a carreira como jogador em 1991, depois de também passar pelo Náutico e pelo Atlético de Três Corações (MG). Em 2005, foi técnico do Operário de Mafra (SC). Nos últimos anos, dedicou-se a atuar como professor em escolinhas de futebol em Curitiba.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação