nsc
hora_de_sc

Luto

Morre o ex-treinador Lauro Búrigo em Florianópolis

Aos 83 anos, o "Velho Bruxo" não resistiu a uma parada cardiorrespiratória

24/07/2019 - 23h58 - Atualizada em: 25/07/2019 - 00h42

Compartilhe

Redação
Por Redação Hora
Lauro Búrigo assumindo como colunista da Hora de SC
Lauro Búrigo assumindo como colunista da Hora de SC
(Foto: )

O futebol catarinense está de luto. Faleceu na noite desta quarta-feira o ex-treinador Lauro Búrigo, aos 83 anos. Ele estava internado na UTI do Hospital Baía Sul, em Florianópolis, e não resistiu a uma parada cardiorrespiratória. Lauro deixa quatro filhos, Laurinho, Audrey, Betina, Ana Paula e netos.

Lauro José Búrigo fez história no futebol de Santa Catarina. É o treinador que mais vezes disputou o clássico entre Avaí e Figueirense, sendo 41 delas dirigindo o Alvinegro e nove pelo Leão. No Furacão, é considerado o comandante mais vitorioso de todos os tempos, com 11 passagens e 373 partidas pelo clube. Ele foi o técnico mais vezes campeão do Estado, com nove títulos e nove vices.

Lauro e o ex-árbitro Dalmo Bozzano
Lauro e o ex-árbitro Dalmo Bozzano
(Foto: )

O Velho Bruxo nasceu em Cocal do Sul, no sul do Estado, e dirigiu equipes como Comerciário e Metropol, da região, para depois passar por praticamente todos os grandes clubes de Santa Catarina: Avaí, América de Joinville, Juventus, Figueirense, Inter de Lages, Criciúma, Carlos Renaux, Marcílio Dias, Ferroviário, Hercílio Luz, Paysandu, Brusque, Chapecoense e Joinville.

Lauro Búrigo na Ressacada em 1994
Lauro Búrigo na Ressacada em 1994
(Foto: )

Causos da bola

No Avião

Lauro Búrigo colecionou causos durante a sua passagem no futebol. Em 1975, quando então o Figueirense realizou a melhor campanha de um clube catarinense no Campeonato Brasileiro, a delegação retornava de Salvador para ser recebida com honras de Estado em Florianópolis. Foi nesse voo que o comandante quase expulsou o técnico Lauro Búrigo que, para enfrentar o avião, tomou todas, ficou baleado e passou a mão no bumbum da aeromoça, criando o maior rebu.

Paga pra treinar

Ele era diretor do Comerciário e pagava CR$ 500 mil por mês ao clube. À saída do técnico, Búrigo quebrou o galho e empatou com o poderoso Metropol, vencendo os três jogos seguintes. Foi ao presidente Aristides Bolan, em 1968, e indicou um novo técnico. Em resposta, ouviu: "É você o treinador. Sem vencimentos, e não esquece de continuar pagando a mensalidade de sócio-diretor".

Soco no atacante

Ao dar um soco no atacante Gauchinh,o por ter sido expulso no intervalo de um jogo quando dirigia o Londrina, o Bruxo foi chamado à presidência. Diante de toda a diretoria que idolatrava o jogador, confirmou o episódio. O presidente levantou, esticou- lhe as mãos e disse: "Parabéns, enfim um macho capaz de acabar com esse Gauchinho".

Resposta

Lauro Búrigo terminou o treino do Figueirense e deixava o campo. O presidente José Mauro Ortiga, rodeado pela imprensa e querendo mostrar prestígio, interpelou em voz alta:

– Como é que entra o time em campo no domingo?

– Em fila indiana, um atrás do outro – respondeu o bruxo

Na imprensa

Após abandonar a carreira na beira dos gramados, Lauro Búrigo fez parte da imprensa. Foi por anos colunista do Jornal Hora de Santa Catarina e um dos comentaristas do Debate Diário, da rádio CBN Diário, veículos da NSC Comunicação.

Sepultamento

O corpo de Lauro Búrigo será velado a partir das 8h30min no Cemitério do Itacorubi, em Florianópolis, e o sepultamento está marcado para as 16h30min.

Colunistas