nsc
nsc

SERVIÇO PÚBLICO

Operadora aceita proposta da prefeitura e vai religar telefones de escolas e creches a partir de quarta

Com uma dívida de R$ 1,5 milhão em contas telefônicas, município de Florianópolis começará a pagar as parcelas à Oi a partir de março de 2018

04/07/2017 - 11h52 - Atualizada em: 04/07/2017 - 17h18

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

A operadora Oi aceitou a proposta de parcelar a dívida da prefeitura de Florianópolis e vai religar aos poucos a partir desta quarta-feira as linhas de telefone que haviam sido cortadas no fim de junho. De acordo com a prefeitura, os cerca de R$ 1,5 milhão serão pagos a partir de março de 2018. Com o acordo, o município irá repassar à Oi a lista de telefones prioritários a serem religados, como os de creches, escolas e conselhos tutelares.

Nesta terça-feira, a prefeitura de Florianópolis apresentou uma proposta para os fornecedores que possuem dívidas a receber da administração municipal até dezembro de 2016 para que o montante seja parcelado a partir de março de 2018. O aviso também foi repassado à empresa de telefonia que tem contrato com o Executivo e que cortou linhas telefônicas por falta de pagamento.

Em entrevista ao Notícia na Manhã, da CBN Diário, desta terça-feira, o prefeito de Florianópolis Gean Loureiro disse que assumiu o cargo com uma dívida de R$ 663 milhões a ser paga até dezembro deste ano. Segundo o prefeito, o esforço está voltado, neste momento, a destinar recursos para pagar os servidores em dia e iniciar investimentos prioritários, como na área da saúde.

Leia mais:

Corte de telefone afeta creches, escolas e repartições públicas da prefeitura de Florianópolis

Linhas cortadas

Desde o dia 24 de junho, foram cortadas as linhas de telefone fixo de 115 creches e escolas municipais de Florianópolis. Desde o início do ano, a empresa quer que o Município pague todas as contas atrasadas de 2013 a 2016. Na semana passada, foram disponibilizados linhas de celulares de forma emergencial às diretoras.

Além das escolas, telefones de repartições públicas também foram cortados. O próprio telefone do gabinete do prefeito está sem receber ligações. Assessores, funcionários e secretários estão usando apenas celulares.

Leia as últimas notícias da Grande Florianópolis

Colunistas