nsc
    santa

    Saúde

    Pesquisa aponta que uma em cada quatro mães tem depressão pós-parto no Brasil

    Estudo da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz entrevistou mais de 23 mil mulheres e detectou que 26,3% delas tinham sinais da doença

    02/05/2016 - 07h50 - Atualizada em: 21/06/2019 - 23h03

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    (Foto: )

    "Ser mãe é padecer no paraíso". Esse clichê, embora não provado cientificamente, já foi dito a praticamente todas as mães ou grávidas. No entanto, um quarto das mulheres que tiveram bebês está mais próxima do padecer e muito distante do paraíso.

    Uma pesquisa feita na Escola Nacional de Saúde Pública contou com a participação de 23.896 mulheres no período entre 6 e 18 meses depois do parto. Dessas, 26,3% apresentaram sinais de depressão. Do total, 20,5% tiveram o primeiro filho, 30,6% eram mães pela segunda vez e 39,8% pela terceira.Os números brasileiros, mostrados no estudo, são altos. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), esse índice é de 19,8% no mundo, e a doença atinge, principalmente, mulheres de baixa renda. A média brasileira, segundo a OMS, é maior do que a registrada nos Estados Unidos, na Austrália e em alguns países da Europa.

    Leia também:

    Por que a depressão pós-parto ainda é tabu

    "Eu deveria estar feliz": mães quebram o silêncio sobre a depressão pós-parto

    O estudo que traz esses dados é o Factors associated with postpartum depressive symptomatology in Brazil: The Birth in Brazil National Research Study, 2011/2012, liderado pela pesquisadora Mariza Theme, professora da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, ligada à Fundação Oswaldo Cruz, e publicado na edição de abril da revista científica Journal of Affective Disorders.

    O trabalho foi desenvolvido no âmbito da pesquisa Nascer no Brasil, estudo sobre os partos e nascimentos ocorridos no país, que apontou o número excessivo de cesarianas – 52% na rede pública e 88% no setor privado – e ainda a persistência de intervenções dolorosas e desnecessárias no parto (como a episiotomia e a manobra de Kristeller, uso de ocitocina, menor frequência da utilização de analgesia obstétrica, dentre outros).

    Mulheres quebram o silêncio sobre a depressão pós-parto

    Em nota enviada ao jornal Folha de S. Paulo, o Ministério da Saúde afirmou que os profissionais das unidades Básicas de Saúde são capacitados para identificar casos de depressão e dar início ao tratamento e que reduziu o número o número de atendimentos para a doença em 6,4% nos últimos dois anos.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas