nsc
    nsc

    Caso Ricardinho

    Polícia Militar mantém decisão de expulsar soldado acusado de matar surfista Ricardinho

    Recurso de advogado de Luis Paulo Mota Brentano foi negado, mas defesa pode tentar mantê-lo na corporação por mais duas vezes

    24/07/2015 - 09h40 - Atualizada em: 24/07/2015 - 10h26

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    Coronel Benevenuto Chaves Neto negou recurso impetrado pela defesa do soldado
    Coronel Benevenuto Chaves Neto negou recurso impetrado pela defesa do soldado
    (Foto: )

    Na manhã desta sexta-feira, a Polícia Militar manteve a decisão de expulsar o soldado Luis Paulo Mota Brentano da corporação. Ele é acusado de matar o surfista Ricardo dos Santos, o Ricardinho, em 19 de janeiro de 2015, na praia da Guarda do Embaú, em Palhoça. A defesa do policial militar ainda pode apresentar novo recurso, denominado recurso de queixa, no prazo de cinco dias - até o final da semana que vem.

    Expulsão da PM pode agravar pena de soldado que matou surfista Ricardinho

    Na semana passada, a Polícia Militar decidiu expulsar o soldado Brentano em decisão assinada pelo coronel Benevenuto Chaves Neto, que comanda a 5ª Região da Polícia Militar em Joinville. Logo após o veredicto, o advogado de defesa do soldado, Rafael Siewert, entrou com um recurso de reconsideração de ato, que foi negado pelo mesmo coronel.

    "É uma tranquilidade muito grande", diz padrinho de Ricardinho sobre expulsão de PM acusado de matar o surfista

    Além da Justiça comum, o soldado Mota enfrenta há quase seis meses um processo administrativo composto por aproximadamente 500 páginas. Segundo a corporação, a decisão está baseada não apenas na morte do surfista, mas em todo o histórico do soldado na Polícia Militar. Mota está preso no quartel do 8º Batalhão de Polícia Militar em Joinville.

    Caso a defesa de Brentano se posicione pela segunda vez, a apreciação será feita pelo comando-geral da Polícia Militar. Algum policial que esteja acima hierarquicamente do soldado pode impetrar um terceiro e último recurso, que aí será avaliado pelo governador do Estado de Santa Catarina, Raimundo Colombo. Depois de cumpridos esses prazos, que são sempre de cinco dias a partir da notificação da decisão anterior, a Justiça irá definir para onde Brentano cumprirá pena, uma vez que, se expulso da PM, perderá o benefício de estar detido no quartel.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Polícia

    Colunistas