nsc
santa

Novembro Azul

Secretaria da Saúde não recomenda exames de prevenção do câncer de próstata a todos os homens

Procedimentos de toque retal e de sangue (PSA) só seriam necessários em casos de sintomatologia ou histórico familiar de câncer de próstata

03/11/2015 - 08h21 - Atualizada em: 03/11/2015 - 18h15

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

O secretário estadual da Saúde, João Gabbardo dos Reis, afirmou em entrevista à Rádio Gaúcha na manhã desta terça-feira que é contra o rastreamento para prevenção do câncer de próstata. A posição é oposta ao que priorizavam as últimas campanhas para promoção da saúde do homem, que buscavam romper com o preconceito para que o exame que detecta a doença fosse feito como rotina.

O exame de próstata é desnecessário: é isso mesmo? Especialistas respondem

- Não recomendamos que sejam feitos exames de rastreamento em todos os homens a partir de uma certa idade, o PSA (exame de sangue) e o exame de toque retal. Os trabalhos científicos atualmente demonstram que não existe nenhuma vantagem de as pessoas fazerem exames dessa forma - afirmou o secretário.

Sociedade Brasileira de Urologia contesta secretário e defende exames preventivos do câncer de próstata

Novembro Azul chama a atenção dos homens para o diagnóstico precoce do câncer de próstata

Segundo ele, só há indicação efetiva para os exames nos casos de sintomatologia ou histórico familiar de câncer de próstata.

- São as únicas indicações para se fazer esses exames. Do contrário, não tem benefício nenhum. As pessoas acabam sendo prejudicadas por esses exames - completou o secretário.

Gabbardo explica que a conduta dos exames foi utilizada durante muito tempo, mas as últimas evidências científicas do Instituto Nacional do Câncer dão a outra recomendação há dois anos. O secretário ainda afirma que o Reino Unido não faz mais esses tipos de exame, os Estados Unidos estão deixando de fazer e o Canadá nunca fez.

- Foram acompanhados durante mais de 10 anos pacientes que fizeram o rastreamento e que não fizeram. Ao final do trabalho, o número de pessoas que morreram por câncer de próstata foi exatamente o mesmo, não tem mudança nenhuma. No entanto, no grupo que fez o rastreamento, teve um número enorme de pessoas que ficaram impotentes, que ficaram com incontinência urinária, um número enorme de pessoas que ficaram com sequelas do procedimento - acrescenta Gabbardo.

A polêmica da fosfoetanolamina no combate ao câncer

Médicos contestam medicamento "milagroso" para tratar câncer

O secretário também explica que o exame em si não traz sequelas, o problema são as biópsias e operações em casos em que não eram necessárias.

- Então essas pessoas acabam tendo danos, sequelas desses procedimentos, sem vantagem nenhuma - completa.

A nova orientação da secretaria é que os homens façam o exame quando tiverem sintomas, como perda de força do jato urinário, dificuldade para iniciar a micção, dificuldade para urinar, urinar várias vezes durante a noite ou urinar e ainda ficar com a sensação de que a bexiga está cheia. Também precisam fazer os exames aqueles homens que têm histórico familiar de câncer de próstata.

Sobre o PSA, o risco é o resultado do exame dar "muito falso positivo", conforme o secretário, o que vai gerar uma investigação com biópsia e cirurgias que não deveriam ser feitas.

- A grande maioria dos tumores da próstata é benigna. Entre os malignos, um grande número não se desenvolve. Os poucos que se desenvolvem deverão ser tratados adequadamente e com a agilidade necessária - afirma Gabbardo.

A nova orientação, conforme o secretário, não retardará diagnósticos da doença porque quando os sintomas aparecem ainda há tempo para o tratamento. A posição também é do Instituto Nacional do Câncer, do Ministério da Saúde, da UFRGS e dos serviços de prevenção do Canadá, do Reino Unido e dos Estados Unidos, de acordo com a secretaria.

Ouça a entrevista na íntegra:

Leia as últimas notícias

Colunistas