nsc
nsc

Segunda saída

Coordenadora da Igualdade Racial deixa cargo após pressão de aliados de Carlos Moisés

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
09/01/2019 - 09h44 - Atualizada em: 09/01/2019 - 11h18
Foto: Diorgenes Pandini/Diário Catarinense
Foto: Diorgenes Pandini/Diário Catarinense

Nomeada para a Coordenadoria da Igualdade Racial no governo de Carlos Moisés da Silva (PSL), a tenente-coronel da reserva da Polícia Militar, Edenice Fraga, foi exonerada da função cinco dias depois de ela ter sido nomeada para o cargo na Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Renda. A escolha de Edenice motivou uma reação de aliados do governador, que questionaram a filiação da policial ao Rede Sustentabilidade. Nas eleições de outubro, ela concorreu a deputada estadual pelo partido.

Jessé Lopes (PSL), eleito para a Alesc, foi enfático na reclamação contra a nomeação em sua rede social. Nesta quarta-feira, com a confirmação a exoneração de Edenice, ele comemorou a decisão do governo em uma publicação. Lopes ainda criticou a existência da coordenadoria.

Em texto enviado para amigos, a tenente-coronel lamentou a saída e disse que deixou projetos encaminhados: "Quando aceitei trabalhar na coordenação eu fui pela causa a qual eu defendo, isto é, a promoção de políticas públicas em prol da igualdade racial, até porque enquanto mulher negra eu conheço de perto o racismo. Eu não aceitei o cargo por adesão a partido político, pois mantenho os meus princípios", escreveu.

À coluna Edenice confirmou a demissão e disse que a pressão política foi o motivo apontado pela secretaria. Ela não vê responsabilidade do governador Carlos Moisés e da secretária da SST, Maria Elisa de Caro, a quem elogiou. Mas, explicou a tenente-coronel, o posicionamento de membros do partido foi fundamental para a sua saída da função.

Diferente do que contou Edenice, por nota, a Secretaria da Casa Civil disse que ela "não deu início ao exercício da função, pois não chegou a ser empossada". E ainda completou: "A investidura do cargo público se completa com a posse, o que não aconteceu no caso de Edenice. Ela também não foi exonerada. Conforme aponta o Diário Oficial, o Governo do Estado tornou sem efeito a sua nomeação, após uma reavaliação das funções junto à Secretaria da Assistência Social".

Esta foi a segunda exoneração pelo mesmo motivo em oito dias de governo. A primeira foi a do escolhido para a presidência da Santur, Tiago Savi. Em sua rede social ele havia se posicionado contrário a Jair Bolsonaro (PSL) durante as eleições. Assim, Savi foi alvo de críticas de aliados de Moisés, como Jessé Lopes.

Deixe seu comentário:

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Últimas do colunista

Loading interface...
Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas