publicidade

Navegue por
Estela

Empresas

"A Embraer quer fazer um voo experimental no início de 2020”, diz diretor da WEG sobre avião elétrico

Compartilhe

Por Estela Benetti
02/06/2019 - 14h32 - Atualizada em: 02/06/2019 - 20h16
O diretor da WEG, Manfred Peter Johann (E) e o presidente de Engenharia e Tecnologia da Embraer, Daniel Moczydlower (Embraer, Divulgaçção)
O diretor da WEG, Manfred Peter Johann (E) e o presidente de Engenharia e Tecnologia da Embraer, Daniel Moczydlower (Embraer, Divulgaçção).

À margem da crise nacional causada pela ineficiente gestão pública, duas gigantes globais da indústria brasileira, a WEG e a Embraer anunciaram que estão avançadas numa parceria para fabricar aviões movidos à eletricidade. O plano é fazer o primeiro voo experimental no início do ano que vem, mas pode até sair antes.

Cada empresa, por enquanto, segue pesquisando no seu parque fabril, com sua equipe de engenharia na área.

Saiba mais sobre o projeto nesta entrevista do diretor executivo da WEG Automação, Manfred Peter Johann (E), que comunicou a novidade (foto) na última quarta-feira, ao lado do presidente de Engenharia e Tecnologia da Embraer, Daniel Moczydlower.

O que motivou a parceria WEG e Embraer?

Foi uma consulta que a Embraer nos fez no final de 2017. Existem movimentos no mundo todo no sentido de promover mudanças no modelo de mobilidade no mundo. Existem muitas iniciativas na área de veículos elétricos, trens e assim por diante. A Embraer avalia que essa tendência chegará também na aviação. Como nós já temos uma experiência em vários tipos de veículos - a WEG tem experiência em tração elétrica para trens, ônibus, trólebus, navios e caminhões - a Embraer nos procurou no sentido de estabelecermos uma cooperação científico-tecnológica, ou seja, de fazer estudos de propulsão elétrica também na área de aviação. Isso foi no final de 2017. Ao longo de 2018 estudamos esse assunto juntos, as duas empresas. Montamos protótipos de motor elétrico e inversor para isso e, agora, nós selamos esse acordo para estudar que produtos poderiam surgir que possam, futuramente, ter alguma aplicação na área aeronáutica.

Que tipo de avião será testado primeiro?

Inicialmente, o avião que a Embraer escolhe para prova de conceito, como se fosse um laboratório para isso, é o avião agrícola EMB-203 Ipanema. É uma aeronave mais simples, um modelo que a Embraer tem uma experiência muito grande, foi um dos primeiros que ela fabricou e o fato de ser uma aeronave de pequeno porte. Tudo isso credenciou essa aeronave para as provas de conceito.

Quando está previsto o primeiro voo?

A Embraer quer fazer um voo experimental no início de 2020. O primeiro voo está perto porque ao longo de 2018, mesmo não tendo selado o acordo, nós decidimos pesquisar e já adiantamos vários estudos.

Quanto a WEG está investindo nesse projeto?

O investimento nosso, nesse momento, são horas de engenharia, custos de protótipos e testes. Nesse momento não tem investimento no parque fabril. Estamos usando nossas equipes de engenharia da área de tração elétrica para esse projeto.

Qual é o maior obstáculo para se usar tração elétrica em aeronaves?

Há vários obstáculos. Os desenvolvimentos para a área aeronáutica exigem muitos testes, segurança, há vários pontos que precisam ser muito bem testados e estudados. Um deles é a própria bateria, tamanho, onde vai ser instalada. Esse é um ponto que cito, mas há um conjunto de variáveis que precisam ser muito bem estudadas.

Dá para estimar quando essa tecnologia estaria disponível comercialmente?

Não. Seria prematuro falar isso agora. Mas o que nós sabemos, o que nós acreditamos é que essa demanda pode vir a surgir, como está surgindo para outros veículos, entre os quais ônibus e caminhões. Como a WEG é uma empresa extremamente inovadora, estamos nos antecipando para isso, nos capacitando para que quando isso surgir lá na frente a WEG possa ser um player desse mercado. Mas hoje não existem soluções comerciais na área de propulsão para aeronáutica. O que existe são outros experimentos que estão sendo realizados no mundo.

Qual foi a reação da equipe da WEG quando soube que iria pesquisar tração elétrica para aviões?

A nossa equipe ficou extremamente motivada. As pessoas, na WEG, são motivadas por desafios. Eu acredito que uma das coisas que fazem com que tenhamos excelentes índices de satisfação, as pessoas gostam de trabalhar na WEG, é que elas são envolvidas em projetos desafiadores.

Em relação aos segmentos de veículos que já usam tração elétrica da companhia, qual tem o melhor desempenho?

Bom desempenho todos eles têm. Mas o que nós mais fornecemos até agora é tração para barcos de apoio a plataformas. Há vários barcos navegando hoje no litoral brasileiro com propulsão elétrica WEG. Existem também ônibus e trólebus, a maioria na grande São Paulo. Esses são os veículos para os quais mais fornecemos até o momento. Agora virá o caminhão, mas por enquanto ele ainda não está sendo produzido em escala comercial. A previsão do fabricante de caminhão (a Volkswagen, com quem a WEG fez parceria em pesquisa e desenvolvimento) é iniciar a produção em escala comercial no final de 2020, mas isso ainda precisa ser validado pela montadora.

Assine o NSC Total para ter acesso ilimitado ao portal, ler as edições digitais do DC, AN e Santa e aproveitar os descontos do Clube NSC. Acesse assinensc.com.br e faça sua assinatura.

Deixe seu comentário:

Estela Benetti

Estela Benetti

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

estela.benetti@somosnsc.com.br

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação