Sejamos francos: a Colômbia foi bem melhor que a Seleção Brasileira no empate de 1 x 1 na noite desta terça, pela rodada final da primeira fase da Copa América 2024. Teve até um grito de “olé” bastante justificável vindo das arquibancadas no segundo tempo.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

Raphinha marca e Brasil empata com a Colômbia na Copa América

A Colômbia tocava e o Brasil corria atrás, sem conseguir marcar ou pressionar. Como disse Gérson, o “canhotinha de ouro”, em sua live pós-jogo, parecia que os dois times haviam trocado os uniformes e o Brasil era a Colômbia e a Colômbia era o Brasil – de outros tempos, é verdade.

Corinthians se desfez do seu menor problema com a demissão de Antônio Oliveira

Continua depois da publicidade

É preciso encarar a realidade atual. Não Tostão, não temos um time! A vitória sobre o Paraguai foi em cima de uma atuação brilhante de Vini Jr., que já não repetiu o mesmo nível contra a Colômbia. Estava marcado e sem o suporte do jogo coletivo. Aliás, Vini Jr. é o melhor da Seleção, mas precisa se concentrar em jogar seu futebol, sem estar sempre afetado, irritado, pela marcação adversária ou reclamando de arbitragem o tempo inteiro. Já está começando a ficar “marcado” por árbitros e pelos atletas adversários em geral.

Veja imagens do empate da Seleção Brasileira com a Colômbia, pela Copa América

O meio de campo do Brasil foi engolido pelo meio da Colômbia. Na verdade, o volante do Palmeiras, Richard Rios, colocou Bruno Guimarães, João Gomes e Andreas Pereira no bolso. Tirando Paquetá, que também não jogou nada bem, o meio da Seleção é um grande ponto de interrogação. Não temos nenhuma referência real no setor.

Vini Jr. finalmente assume o protagonismo que cabe a ele na Seleção Brasileira

E os laterais? Pra quem já teve Carlos Alberto, Leandro, Jorginho e Cafu, ter Danilo na lateral direita é um grande insulto. Danilo pode ser um zagueiro, mas na lateral não dá mais. E na esquerda? Wendell e Arana não têm vestido bem a camisa amarela. Nem preciso lembrar de Nilton Santos, Júnior, Branco, Leonardo e Roberto Carlos. Que saudade!

Continua depois da publicidade

Leia mais notícias do Esporte no NSC Total

Clique aqui para entrar na comunidade do NSC Total Esporte no WhatsApp

Há talento na Seleção? Há sim. Não como já tivemos em outras épocas, com supercraques mundiais, mas há. Vini Jr. e Rodrygo são os expoentes atuais. Mas estamos longe de ter um time. O trabalho de Dorival Júnior está apenas começando, e estamos pagando o preço de uma espera absurda e injustificável por Carlo Ancelotti (que mico) e pela interinidade de Fernando Diniz. Brincaram com a Seleção e isso sempre tem seu custo.

Destaques do NSC Total