nsc
nsc

publicidade

Polícia

Morte do sargento Moreira é resposta por combate ao crime, diz Coronel Araújo Gomes

Compartilhe

Moacir
Por Moacir Pereira
13/10/2019 - 18h50 - Atualizada em: 13/10/2019 - 18h51

O assassinato covarde e brutal do sargento Moreira, da reserva da Polícia Militar de Santa Catarina, atingido por disparos em ataque de criminosos há uma semana em Camboriú, provocou e continua causando consternação, indignação e revolta na estrutura da segurança pública.

Tão logo foi registrado o falecimento do militar, o comandante da PM, cel. Araújo Gomes divulgou um pronunciamento, gravado em vídeo e veiculado pelas redes sociais, onde dá como resposta a decisão de combate ainda mais rigoroso ao crime organizado.

Revela na fala que o sargento Moreira “foi escolhido para morrer por ser conhecido e vulnerável no bairro de Monte Alegre, em represália ao endurecimento no combate ao crime organizado. esmo na reserva, aposentado, sem participar de operações policiais há tempo, tombou como herói, pois foi atacado por fazer parte da corporação”.

Destacou, depois, que o militar foi morto sem chance de defesa e apenas por pertencer à Polícia Militar, cumprindo seus deveres.

— Foi vítima de tempos difíceis, de inversão de valores, onde a impunidade dos criminosos e a criminalização dos que punem criou a possibilidade de que bandidos pensem ter o direito ou ousem ter a coragem de atacar o Estado representado em seu braço mais visível e legítimo: o policial – prosseguiu.

E completou: “Nada nos afastará do dever de proteger. Os criminosos não nos impedirão de livrar a população de bem da ação do crime organizado que oprime e penaliza os mais pobres e vulneráveis nas periferias brasileiras onde somos o Estado presente. Em Santa Catarina bandido não tem vez. E isso é definitivo!”

Veja o vídeo:

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

publicidade