nsc
nsc

Funcionalismo público

Salário médio da mulher é R$ 842 menor que o do homem entre os servidores de Blumenau

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
02/12/2020 - 14h17
Prefeitura de Blumenau
Mulheres são maioria entre os servidores, mas salário médio delas fica bem abaixo do de homens (Foto: Patrick Rodrigues, BD)

Mulheres que integram o funcionalismo público de Blumenau ganham, em média, R$ 842,18 menos que os homens. Enquanto o salário médio delas é de R$ 3.833,20, o deles chega a R$ 4.675,38, 22% maior. Os dados, com data-base de outubro de 2019, constam no mais recente relatório atuarial do ISSBlu, instituto que administra a seguridade social dos servidores municipais.

> Quer receber notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do Santa

A prefeitura tinha, no período de análise dos dados, 7.052 servidores efetivos, ou seja, concursados e ativos, que contribuem para a previdência municipal. As mulheres são ampla maioria: 4.690, o equivalente a dois terços do total. Ainda assim tinham uma remuneração média menor que a dos homens.

Apesar de grande, esta diferença já foi ainda maior. O relatório atuarial anterior do ISSBlu, com dados de 2018, mostra que servidores homens tinham, naquele ano, um salário médio de R$ 5.007,82, enquanto as mulheres ganhavam R$ 3.741,10.

Em outros benefícios da seguridade social a discrepância salarial se repete. A aposentadoria média das mulheres é de R$ 4.270, enquanto a de homens chega a R$ 5.494,86. No caso de pensões há mais paridade entre os gêneros. Elas recebem em média R$ 3.054,09 e eles, R$ 3.196,07.

O desalinhamento está em consonância com a realidade nacional. Um estudo especial feito pelo IBGE para o Dia Internacional da Mulher, divulgado em março, revelou que, apesar de uma leve queda na desigualdade salarial entre 2012 e 2018, elas ainda ganham, em média, 20,5% menos que os homens. 

Os dados são relativos ao quarto trimestre de 2018 e consideram apenas pessoas entre 25 e 49 anos. Um dos fatores que explicam a diferença é que a jornada média das mulheres é 4h48min mais curta que a de homens, já que é mais comum elas conciliarem trabalho com afazeres domésticos, por exemplo.

Em Blumenau, uma das razões para os salários das mulheres serem mais baixos tem relação com a educação. Dos 7.052 servidores ativos do período analisado, 1.831 eram professores. Havia muito mais docentes do sexo feminino: 1.668 contra 163 homens. O salário médio dessa função é menor se comparado a outros cargos, o que ajuda a puxar a remuneração feminina geral para baixo. Para os homens, é de R$ 4.082,41 e, para mulheres, de R$ 3.778,65.

Já para os demais cargos, em geral, a remuneração para elas chega a R$ 3.863,31, contra R$ 4.719,33 em média para eles. Os números indicam que mulheres, apesar de serem maioria entre os servidores, ocupam mais funções que pagam menos.

Contraponto

Procurada pela coluna para comentar a diferença dos números, a prefeitura de Blumenau enviou a nota abaixo, transcrita na íntegra:

A Prefeitura de Blumenau esclarece que as contratações de servidores, efetivos ou contrato temporário, ocorrem por meio de processo seletivo/concurso e não há qualquer tipo de distinção de gênero entre os requisitos. Os salários são definidos conforme função/cargo e carga horária, seguindo o estabelecido nos Padrões de Referência e nos Plano de Cargos e Salários da Administração Municipal.

A diferença constatada na referida tabela, refere-se a tempo de serviço, bem como eventuais progressões de carreira adquiridas individualmente pelos servidores conforme previsto também pelo respectivo plano.

Quer receber notícias e análises de economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região no seu celular? Acesse o canal do blog no Telegram pelo link https://t.me/BlogPedroMachado ou procure por "Pedro Machado | NSC" dentro do aplicativo.

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas