nsc
nsc

Tempo

Ciclone no Sudeste traz reflexos para o tempo em Santa Catarina

Compartilhe

Puchalski
Por Puchalski
23/01/2020 - 09h08
Ciclone no Sudeste traz reflexos para o tempo Santa Catarina (Foto: Diorgenes Pandini / NSC Total, BD)
Ciclone no Sudeste traz reflexos para o tempo Santa Catarina (Foto: Diorgenes Pandini / NSC Total, BD)

*por Douglas Marcio da Silva

Como previsto, o ciclone anunciado nos últimos dias já começou a trazer chuva para o Litoral catarinense.

A formação desse sistema de baixa pressão especial começou na noite de quarta-feira e deve se intensificar ao longo desta quinta. Todo esse processo está acontecendo no mar, entre o Rio de Janeiro e o Espírito Santo, mas é perceptível a tendência de ter um deslocamento pra direção Sul, Santa Catarina está no meio do caminho.

Portanto, esta quarta-feira será um dia molhado, com céu totalmente encoberto, muitas nuvens e chuva que já começou na madrugada e deve se estender durante o dia na região dos Planaltos e principalmente o Litoral. A chuva pode ser forte em alguns momentos.

Com a ocorrência da chuva e com muitas nuvens, as temperaturas da tarde não vão subir muito. O Sul, a região da capital, o Vale do Itajaí e o Norte têm máxima de 25 graus. Apenas no Oeste é que os termômetros sobem um pouco mais, podendo chegar aos 28°C.

Mar e vento

Os efeitos do ciclone por aqui devem ser sentidos nesta quinta, principalmente em alto mar, onde as ondas podem chegar aos três metros e meio de altura. Pelo menos até sexta-feira, teremos muita agitação marítima entre a região de Laguna até o Litoral Norte.

A previsão de chuva persiste para todo o nosso Litoral e áreas próximas, com volumes entre 30 e 70 milímetros durante o dia, ou até mais do que isso, o que aumenta o risco de alagamentos e deslizamentos pontuais.

As rajadas de vento podem chegar aos 60 quilômetros por hora. Por isso, não se recomenda a navegação e atividades de pesca para donos de barcos pequenos e de médio porte.

O ciclone

Para o Centro de Hidrologia da Marinha, as águas mais aquecidas do Sudeste brasileiro onde esse sistema começou a se formar – com temperatura de 27 graus – é um fator determinante pra formação desse ciclone.

Se os ventos alcançarem ou passarem dos 63 quilômetros por hora, o sistema vai ser reclassificado como uma tempestade subtropical e aí ela vai ganhar o nome de Kurumí, que quer dizer menino, em tupi-guarani. Segundo a Marinha, é bem provável que isso aconteça ao longo desta quinta-feira.

O nome dos sistemas

Quem dá o nome para estes sistemas meteorológicos especiais é a própria Marinha, que tem até uma lista pronta. A lista começou a ser feita em 2011. Portanto, caso esse sistema evolua mesmo para uma tempestade subtropical, ela vai ser batizada de Kurumí.

Desde 2011, já houve algumas tempestades, inclusive, aqui em Santa Catarina. No ano passado, a tempestade Iba virou notícia ao provocar estragos, em Salvador, na Bahia.

Como fica o tempo na sexta-feira

Para terminar a semana, teremos sol com poucas nuvens no Oeste e Meio Oeste. Nas outras regiões, as nuvens ainda vão aparecer, mais nos Planaltos e em áreas do Norte catarinense. Na Grande Florianópolis teremos variação de nuvens com chuva fraca em alguns momentos.

Durante a tarde as máximas ficam na casa dos 30 graus no Oeste, no Meio Oeste e no Vale. Na Grande Florianópolis e no Norte teremos 28°C.

Deixe seu comentário:

Leandro Puchalski

Colunista

Puchalski

Leandro Puchalski é o meteorologista da NSC Comunicação. Explica como os fenômenos climáticos impactam na vida dos catarinenses.

siga Puchalski

Últimas do colunista

Loading interface...
Leandro Puchalski

Colunista

Puchalski

Leandro Puchalski é o meteorologista da NSC Comunicação. Explica como os fenômenos climáticos impactam na vida dos catarinenses.

siga Puchalski

Mais colunistas

    Mais colunistas