nsc

publicidade

Upiara

Alesc

Governo Moisés espera aumentar receita em R$ 500 milhões por ano com revisão de incentivos fiscais

Compartilhe

Por Upiara Boschi
08/07/2019 - 19h39 - Atualizada em: 08/07/2019 - 21h23
Secretário da Fazenda, Paulo Eli, na Alesc (Foto: Rodolfo Espínola / Agência Alesc)
(Foto: Rodolfo Espínola / Agência Alesc)

Está em andamento a terceira batalha do governo Carlos Moisés (PSL) na Assembleia Legislativa. Depois de garantir a aprovação sem votos contrários da reforma administrativa e de ser obrigado a jogar a toalha na tentativa de reduzir os repasses aos poderes, a gestão do pesselista trabalha para aplicar a revisão da política de incentivos fiscais liderada pelo secretário da Fazenda, Paulo Eli. 

Enquanto escrevo, 18h45min de segunda-feira, o secretário participa de um verdadeiro debate com os deputados estaduais Marcos Vieira (PSDB) e Milton Hobus (PSD) sobre as as regras que integram o pacote que renova ou revisa toda a política fiscal do Estado. De um lado, um governo que precisa aumentar as fontes de receita diante do cenário quase catastrófico de um déficit previdenciário crescente, endividamento público e recuperação econômica ainda titubeante. Nas contas da Fazenda, o pacote aprovado como está coloca de R$ 500 milhões a R$ 750 milhões extras por ano no caixa.

Ao mesmo tempo, os deputados Vieira e Hobus vocalizam críticas de setores que se sentem prejudicados com as mudanças. A reunião extraordinária da Comissão de Finanças realizada ontem à noite na Assembleia Legislativa expôs o que já estava claro nos bastidores - não falam a mesma língua o secretário e os dois deputados indicados pelo presidente da Alesc, Júlio Garcia (PSD), a fazer a essa conciliação.

Diversas entidades do setor produtivo, Fiesc entre elas, se fizeram presentes na Assembleia, aumentando a pressão sobre Eli. Pouco antes, ele recebera jornalistas na Secretaria da Fazenda para antecipar pontos de sua apresentação e tirar dúvidas. Diz que há muita “fake news” nas teses levantadas para criticar a revisão dos inventivos. Disse não acreditar que empresas deixem o Estado por perderem benefícios. Desafiou, inclusive, ao dizer que se algum empresário tomar essa atitude vai se arrepender e voltar.

A linha argumentativa do secretário parece justa. Diz que 99% dos benefícios estão mantidos e que apenas aqueles que chamou de “personalizados” serão excluídos. Quer que os setores tenham regras iguais - usa o exemplo da indústria têxtil, que tem cerca de 700 empresas e, entre elas, 11 com tratamento diferenciado. Os deputados ponderam sobre o volume de empregos criados. Essa batalha tem tudo para se estender até dia 17, quando deve ser votada a proposta. A dúvida maior, no entanto, poucos levantam: como proteger a sociedade, o consumidor, de pagar essa conta de mais de R$ 500 milhões por ano que o governo espera arrecadar?

Ainda não é assinante? Faça sua assinatura do NSC Total para ter acesso ilimitado ao portal, ler as edições digitais dos jornais e aproveitar os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

Upiara Boschi

Upiara Boschi

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

upiara.boschi@somosnsc.com.br

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade