Por Beto Lima

Se no início de 2023 alguém contasse para a nadadora Mariana Mello que ela viajaria à Londres para representar o Brasil e ainda conheceria a ganhadora do Nobel da Paz, Malala, provavelmente ela não acreditaria. Mas o caminho que a atleta surda de 19 anos vem trilhando reservou algumas surpresas para a temporada mais especial de sua carreira.

Continua depois da publicidade

Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Mariana foi convidada pela Cochlear Foundation para representar o Brasil no Achieve Anything Summit, realizado no início de maio em Londres, evento que teve como objetivo mostrar a importância do acesso precoce a cuidados médicos auditivos e suporte. Além dela, outros quatro jovens surdos de diferentes países se reuniram para compartilhar suas histórias na cúpula global. Em entrevista à Rádio CBN Joinville, Mariana revelou como foi a experiência.

“Foi incrível, aprendi que tenho o direito de aumentar a minha voz. O esporte pode abrir as portas para pessoas com deficiências. Você pode fazer tudo, nada impede”, disse.

Continua depois da publicidade

O evento contou com a participação de diversos defensores da perda auditiva, como a ativista Malala Yousafzai, mais jovem ganhadora do Prêmio Nobel de todos os tempos; o jornalista Lewis Vaughan Jones (BBC e CNN); a nadadora e paralímpica Suzanna Hext; Anita Grover, CEO da AVUK (Auditory Verbal UK), instituição que fornece apoio e terapia para crianças surdas e suas famílias; e o modelo e designer 3D, Qais Khan.

Mariana teve a oportunidade de compartilhar os desafios e superações que vivenciou ao longo da vida. Selecionada para ser embaixadora da Fundação Cochlear, a nadadora não conteve a emoção quando encontrou Malala pessoalmente. “Comecei a chorar assim que soube que ela havia chegado ao evento, me deu até falta de ar. Depois que ela sentou conosco, olhou pra mim esperando que eu contasse minha história e adivinha? Chorei de novo. Ela simplesmente se levantou e me abraçou, então me senti calma, respirei e comecei a contar minha história”, revela.

Empresa Döhler envia presente à ativista Malala, ganhadora do Nobel da Paz

De volta ao Brasil, Mariana Mello ainda lembra com carinho dos momentos especiais em Londres. “Foi tudo muito inspirador. Entendi que temos uma causa para lutar, aprendi muito”, disse. Agora, o foco volta aos treinamentos diários para mais uma grande jornada, a disputa do Mundial de Natação para Surdos, que ocorre em agosto na Argentina.

A atleta da Associação Paralímpica de Joinville foi convocada para a Seleção Brasileira de Natação Feminina e estará em Buenos Aires para a sua primeira competição internacional. “Era um dos meus sonhos, mas eu não sabia que iria realizar tão rápido. Agora a preparação está mais séria, duas horas de treino por dia e academia duas vezes por semana”, disse. Mariana participará de duas provas, sendo uma de nado crawl e outra de revezamento misto (dois homens e duas mulheres por equipe).

Continua depois da publicidade

A atleta diz que seu foco será tentar diminuir o próprio tempo, mas ela já celebra a chance de competir no Mundial. “Independente do resultado será uma experiência enorme de vida pra mim. Poder aprender com outros surdos, de outros países, é algo de outro patamar”, afirma.

Mariana Mello nasceu prematura, em 2003, pesando apenas 879 gramas, teve perda auditiva neurossensorial profunda bilateral, e utiliza implante coclear no ouvido esquerdo. Começou a competir aos 15 anos e já acumula conquistas em edições de Parajasc, Surdolimpíadas, e no ano passado conquistou o primeiro lugar nos 100m costas no Campeonato Brasileiro de Natação, além de medalhas de prata nas provas de 50m livre, 100m livre, 50m borboleta, 200m costas e 50m costas. A disputa do Campeonato Mundial acontece de 13 a 19 de agosto, em Buenos Aires, na Argentina.

Destaques do NSC Total