Pós-Carnaval, você pode estar se perguntando qual seria a técnica utilizada por trás da fantasia de onça utilizada por Paolla Oliveira, a rainha de bateria da Grande Rio que hipnotizou o Sambódromo enquanto ela desfilava? Ou, então, da serpente usada pela Escola de Samba Viradouro, que foi campeã do carnaval do Rio de Janeiro? Continue a leitura para entender essa e outras transformações do carnaval, com detalhes revelados pela repórter Tábata Poline, do g1.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do Hora no Google Notícias

Os truques usados nas transformações dos desfiles de Carnaval

Começando com a rainha de bateria da Grande Rio, que ficou na terceira posição entre as Escolas de Samba do Carnaval do Rio de Janeiro, a atriz Paolla Oliveira contou ao Fantástico como surgiu a ideia de “virar uma onça” em meio à Marquês de Sapucaí. Ela conta que, um dia, teve um sonho de “ser uma alegoria”. Ela diz que queria se transformar, junto à bateria, enquanto sambava.

Segundo a atriz, foram 18 tentativas junto a figurinista Mari Suede para que o resultado final saísse como esperado. Ao todo, mais de 15 pessoas trabalharam na onça de Paolla. De acordo com Mari:

Continua depois da publicidade

— A encomenda principal era a transformação. A gente precisava transformar essa mulher em bicho, bicho fera. Teve muito esboço.

Por sua vez, o figurinista Bruno Oliveira conta que havia uma parte muito complexa nesta fantasia, que era o mecanismo dela. Para que ela funcionasse, um um plug foi ligado em outro plug que tinha suas fiações perpassando pelas mangas da roupa de Paolla. E tudo foi tão bem feito que fica até difícil ver a atriz apertando o botão que a transformaria em onça.

Ao Fantástico, Paolla Oliveira comentou que o desfile foi “muito mais do que esperava”. Ela diz que para ela era só uma diversão, mas que havia um recado por trás da fantasia.

Continua depois da publicidade

— Se transforme no bicho que vocês quiserem nessa vida, travem as batalhas que vocês precisarem, para ser a onça de vocês, linda e reluzente na avenida da vida.

E as alergorias não pararam por aí. Isso porque, pela Escola de Samba Imperatriz Leopoldinense, a bailarina Gabriela Freire literalmenteu dançou no ar, com a ajudinha de um caminhão repleto de cilindros de gás e um time de mais de dez pessoas para fazer essa magia acontecer. O público, é claro, amou. Tanto que a Escola foi a vice-campeã do Carnaval 2024 do Rio de Janeiro.

Bailarina também foi ovacionada na Sapucaí (Foto: Stephanie Rodrigues, g1, Reprodução)

Já a grande campeã do carnaval, Viradouro, apresentou para o público a serpente sagrada. O sobrenatural se juntou ao poder das mulheres negras na comissão de frente. A ideia, inovadora, veio a partir do casal de coreógrafos Priscilla Mota e Rodrigo Negri. Eles contam que ela surgiu a partir de um brinquedo que compraram para o filho do casal.

Continua depois da publicidade

— A primeira [tentativa] ficou parecendo uma lagartixa maluca, a segunda ficou parecendo uma lombriga. Depois, a gente foi em uma de nove metros, que foi a última. Aí essa ficou muito legal.

E, para que a serpente se movimentasse, o bailarino Wesley Torquato precisou ficar deitado em um skate elétrico dentro da estrutura.

— Eu desço por esse túnel aqui no skate elétrico. Quando eu chego aqui mais ou menos, eu paro ela e o Felipe, que fica lá atrás, ele segura o rabo, para dar o start, para eu poder sair nos jurados, serpenteando. Vou me guiando pela linha da Sapucaí, a linha amarela que fica lá no chão do Sambódromo, eu fico me guiando para achar o meio.

Continua depois da publicidade

Cobra da comissão da Viradouro também fez sucesso no desfile (Foto: Redes Sociais)

Leia também

Como combater 6 danos à saúde causados pelo Carnaval

5 passos para conseguir um emprego após o Carnaval

Destaques do NSC Total