nsc
    dc

    No brain, no pain

    "O cérebro pode curar a dor", diz o neurologista Pedro Schestatsky

    Médico participou de palestra no Brain Congress, em Porto Alegre

    16/06/2017 - 09h05 - Atualizada em: 16/06/2017 - 10h48

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    Schestatsky ministrou a palestra "Usando o próprio cérebro para curar a dor"
    Schestatsky ministrou a palestra "Usando o próprio cérebro para curar a dor"
    (Foto: )

    Não há droga mais eficiente para curar a dor do que o nosso próprio cérebro. É nele que está o caminho para sanar essas sensações desagradáveis, defendeu o neurologista gaúcho Pedro Schestatsky, palestrante de uma mesa redonda do Brain Congress, o congresso do cérebro, evento sobre neurociência e emoções que segue até este sábado em Porto Alegre.

    Intitulada de "No brain, no pain" — um trocadilho à popular frase da turma da academia "no pain, no gain" (sem dor, sem ganho) — a palestra mostrou os diversos mecanismos que ocorrem no cérebro durante episódios de dor, além de apontar medidas para amenizá-la ou até mesmo curá-la. Schestatsky apresentou evidências da Neuroplástica, teoria desenvolvida pelo americano especialista em dor Michael H. Moskowitz, após vivenciar experiências próprias de dor aguda. Essa ciência dedica-se a curar a dor unindo cérebro e corpo.

    Leia mais:

    Mia Couto sugere que cientistas estejam abertos a outras sabedorias

    "Corruptos podem sentir culpa quando começam a roubar", diz neurologista

    — O cérebro pode curar a dor — garantiu Schestatsky ao defender a tese de Moskowitz.

    Segundo os experimentos do americano, que sofreu uma grave lesão na perna após cair de um tanque do exército, a dor ativa diversas partes do cérebro. Três delas também respondem pela visão. Assim, ele criou o conceito da plasticidade competitiva, que consiste em usar imagens para aliviar a dor. Na prática, é como se a visão "roubasse" a atenção dessas áreas comuns do cérebro, fazendo com que a dor diminua.

    Embora simples, a ideia requer treinamento, foco e disciplina. Moskowitz repetia o procedimento toda a vez que sentia dor e o fez até eliminar por completo a sensação desagradável.

    — Não acredito em medicamentos a longo prazo. Eles têm papel importante para efeitos transitórios. Acho que é possível investir em técnicas sustentáveis, como realidade virtual, realidade aumentada — defendeu o palestrante.

    Só o tempo cura dor de amor

    No mesmo encontro, participaram Alexandre Annes Henriques, psiquiatra do Serviço de Dor e Medicina Paliativa do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, e Antoine Bechara, neurologista, psicólogo e professor da Universidade do Sul da Califórnia.

    Henriques abordou a importância de uma equipe multidisciplinar, incluindo um psiquiatra, para o tratamento da dor. Ouvir o paciente e não menosprezar suas palavras também foram apontadas como fatores fundamentais para o alívio da dor.

    — É preciso acreditar no paciente, pois a dor dele é real — destacou.

    Bechara falou de uma das dores mais comuns do ser humano: a do amor. Para o libanês radicado nos Estados Unidos, amenizar essa sensação ruim após o término de um relacionamento, por exemplo, não é fácil. Alternativas seriam estimular a produção de dopamina, neurotransmissor responsável pelo prazer e bem-estar. Mas Bechara apontou a única "droga" possível para esse tipo de sofrimento:

    — O tempo.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas