nsc

publicidade

Crise política

Raimundo Colombo: "Proponho eleições gerais, inclusive a minha"

Governador catarinense propõe uma nova disputa eleitoral para a presidência da República, Congresso, governos estaduais e assembleias  seja realizada este ano como solução para a crise política nacional 

05/04/2016 - 15h09 - Atualizada em: 05/04/2016 - 16h44

Compartilhe

Por Redação NSC
Raimundo Colombo concedeu entrevista logo após anúncio do acordo entre entidades patronais e de trabalhadores sobre os novos valores do salário mínimo estadual
Raimundo Colombo concedeu entrevista logo após anúncio do acordo entre entidades patronais e de trabalhadores sobre os novos valores do salário mínimo estadual
(Foto: )

Após o encontro em que recebeu de entidades patronais e de trabalhadores a proposta de reajuste anual do salário mínimo estadual, o governador Raimundo Colombo (PSD) concedeu entrevista sobre a crise política nacional e defendeu a convocação de eleições para todos os cargos ainda este ano. Na proposta de Colombo, além de uma nova disputa presidencial, seriam realizadas eleições para o Congresso Nacional, governos estaduais e Assembleia Legislativas — além das eleições municipais já previstas para outubro.O governador também defendeu a Operação Lava-Jato e falou sobre a inclusão de seu nome em planilhas de supostas doações eleitorais da empreiteira Odebrecht. Falou, ainda, da expectativa sobre a renegociação das dívidas dos Estados, em discussão na Câmara dos Deputados e da ação que questiona o valor de débito com a União, pautado para quinta-feira no Supremo Tribunal Federal.

No anúncio do acordo sobre o salário mínimo estadual, o senhor falou na necessidade de criar consensos. Acredita na possibilidade de consensos em Brasília, nessa crise política que vivemos?

O modelo brasileiro ruiu, não acredito mais que se consiga, com as propostas existentes, evoluir. Por isso tenho defendido uma posição de fazer eleições gerais. Acho sinceramente que nós todos precisamos ter consciência do desafio, ter a humildade de reconhecer que precisamos evoluir como sociedade e como lideranças. Teríamos que construir um processo que não apenas mudasse as pessoas, mas mudasse o sistema. Na minha visão, tem que haver uma reestruturação completa.

Quando o senhor fala em eleições gerais, inclui Congresso e governadores?

Congresso, governadores, todos.

Então o senhor está disposto a abrir mão de parte do seu mandato em nome disso?

Não tenho dúvida de que seria uma coisa importante a acontecer. É a melhor proposta para sair dessa crise que é grave e tem diversos lados. Ela tem um lado institucional, tem que mexer na Constituição, tem uma legislação inadequada, tem uma crise ética e temos uma crise de lideranças também. Por isso precisamos ter a coragem de fazer uma coisa bem mais profunda do que apareceu até agora.

Há duas semanas seu nome apareceu nas planilhas de supostas doações da Odebrechet. Como avalia esse episódio?

O que me dá tranquilidade é que a empresa acusada não tem nenhuma obra em Santa Catarina, não prestou serviço, não recebeu nenhum centavo do governo. Não há qualquer tipo de relação de propina, qualquer coisa dessa natureza, porque ela não teve nenhum benefício. A lista tem que ser investigada. Quando você quer passar o Brasil a limpo, não pode exigir que seja só com os outros. Tem que fazer com a gente também. Por isso proponho eleições gerais, inclusive a minha. Porque eu acho que quando você quer propor mudança, tem que aceitar o que está acontecendo. Apoio plenamente o processo jurídico que está em curso com a Operação Lava-Jato. É uma das coisas que está contribuindo decisivamente para esse processo de mudança. Todas as investigações terão da minha parte total apoio, para que elas ocorram. Eu me sinto tranquilo por não ter a Odebrecht em alguma obra aqui no Estado. Acho que as investigações devem ocorrer e estou pronto para colaborar em tudo que for demandado.

Sobre a questão da dívida pública. O STF deve julgar nesta quinta-feira o mandado de segurança de SC que questiona os valores. O senhor vai a Brasília acompanhar?

Estou muito disposto a ir, vou avaliar isso agora. Amanhã (hoje) talvez seja votado na Câmara dos Deputados (o projeto do governo federal para renegociação da dívida) e na quinta é o primeiro ponto da pauta do Supremo. A gente tem boa perspectiva nas duas.

Houve um avanço na Câmara com a bancada do PT fechando questão contra as contrapartidas que a União exige para a renegociação?

Isso favorece muito na tramitação, porque senão ia ter uma resistência insuperável. A mobilização de todos os sindicatos e segmentos atingidos era muito grande e ela inviabiliza a tramitação do projeto. Por isso que essa flexibilização é fundamental.

Com aquelas contrapartidas, era como se o Ministério da Fazenda passasse a tutelar os governadores?

Tiraria toda a autonomia. Claro que algumas reformas ali precisariam ser feitas, a gente tem consciência disso. Mas na hora que impõe por lei federal, iguala situações que muitas vezes são diferentes. Em Santa Catarina, a grande maioria já está atendida.

Naqueles termos, o senhor assinaria o acordo?

Não. Nós apostamos que muita coisa iria modificar. Tem coisas ali que são absolutamente fora de propósito. Por exemplo, impedir de contratar funcionários por alguns anos. Estamos com nove hospitais em construção, várias unidades prisionais, nós vamos ter que contratar. Impedir um Estado que tem capacidade de endividamento de fazer por quatro anos qualquer financiamento, eu estaria assinando um documento que ia comprometer a próxima gestão. Seria irresponsável. Se o benefício é por dois anos (o desconto de 40% nas parcelas da dívida proposto pela União ), limite em dois (a restrição).

Mantém o otimismo no STF e no Congresso nessa questão da dívida?

Sim. Não tenho dúvida de que no mérito, no Supremo, a gente tem a simpatia da grande maioria. A discussão sobre se a ação pode ser mandado de segurança eu ainda não tenho ela clara. Não tenho dúvida também de que o Congresso vai aprovar. Na Câmara esta semana e no Senado semana que vem.

Deixe seu comentário:

publicidade