nsc
dc

Tóquio

Rebeca conquista ouro no salto na ginástica artística das Olimpíadas de Tóquio

Rebeca é a primeira brasileira a ganhar duas medalhas na mesma edição olímpica

01/08/2021 - 06h20 - Atualizada em: 01/08/2021 - 07h45

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Rebeca Andrade conquista a medalha de ouro no salto sobre mesa na ginástica artística em Tóquio
Rebeca Andrade conquista a medalha de ouro no salto sobre mesa na ginástica artística em Tóquio
(Foto: )

Três dias após conquistar a primeira medalha da ginástica artística feminina do Brasil, a prata no individual geral, Rebeca Andrade deu continuidade à história que está escrevendo nas Olimpíadas de Tóquio. Num capítulo ainda mais emblemático, ela ganhou a medalha de ouro na disputa do salto neste domingo (1º).

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Rebeca é a primeira brasileira a ganhar duas medalhas na mesma edição olímpica. E ela ainda poderá conquistar a terceira. Nesta segunda-feira (2), disputará a final do solo, às 5h57 (de Brasília). O único brasileiro a somar três medalhas no mesmo evento foi o canoísta Isaquias Queiroz na Rio-2016. 

O recorde total de medalhas entre as brasileiras é da judoca Mayra Aguiar e da ex-levantadora Fofão, com três conquistas em três edições. Em menos de uma semana, Rebeca também poderá igualar essa marca.

> Brasil vence a França em jogo de três horas no vôlei masculino em Tóquio

Se na última quinta (29) a brasileira precisou mostrar que era uma das ginastas mais completas do mundo para ficar com a prata na competição que envolve os quatro aparelhos (salto, solo, trave e barras assimétricas), a medalha deste domingo (1º) também permitiu que ela brilhasse em sua maior especialidade. 

Rebeca Andrade
Rebeca Andrade fez história ao conquistar o primeiro ouro da ginástica artística feminina ao marcar 15.083 na prova do salto
(Foto: )

A média dos seus dois saltos foi 15.083, abaixo do que apresentou na classificação, mas o suficiente para garantir a conquista histórica. A americana Mykayla Skinner ficou com a prata (14.916), e a sul-coreana Yeo Seojeong, com o bronze (14.733).

> Simone Ferraz e Eliane Martins ficam fora das finais do atletismo em Tóquio

Faz tempo que os saltos de Rebeca estão entre os melhores do mundo, mas as três cirurgias que ela precisou fazer para reconstituir o ligamento cruzado anterior do joelho direito a impediram de obter nos últimos anos uma medalha nas principais competições. O salto preocupa especialmente por forçar essa parte do corpo nas aterrissagens. 

A última operação foi antes do Mundial de 2019, que pôs em dúvida sua participação nos Jogos de Tóquio, quando eles ainda ocorreriam em 2020. O adiamento provocado pela pandemia de Covid-19 se mostrou benéfico para a atleta recuperar o ritmo de treinos e a confiança. 

> Confira notícias e quadro de medalhas das Olimpíadas de Tóquio

Ausente do individual geral e do salto, a americana Simone Biles também abriu mão do solo, sob a justificativa de que precisa preservar sua saúde mental. A última chance de a grande estrela dos Jogos competir será na trave, na terça-feira (3). A brasileira Flavia Saraiva está classificada para essa final.

Leia também

> Avaí empata em jogo pouco inspirado na Série B e Criciúma dá adeus à Copa do Brasil

> Criciúma perde para o Fluminense e dá adeus à Copa do Brasil

> Felipe Cruz volta ao MMA depois de ficar quase 4 anos sem lutar

Colunistas