Zagallo foi o primeiro técnico dos meus sonhos. Aquele Botafogo bicampeão carioca e campeão brasileiro, em 1967-1968, era liderado por ele. Eu era moleque, e o já bicampeão mundial (como jogador) dirigia um time de “cobras” com o manto sagrado alvinegro: Gérson, Jairzinho, Rogério, Roberto Miranda, Paulo César Caju. (“Cobra”, naquela época, era sinônimo de craque.)

Continua depois da publicidade

Leia mais notícias do Esporte no NSC Total

Clique aqui para entrar na comunidade do NSC Total Esporte no WhatsApp

Depois ele foi para a seleção brasileira, em cima da hora, tentar o tri no México, em 1970. Levou um monte de camisa 10. Revolucionário, pôs todos em campo. Pelé, Rivellino, Gérson, Jairzinho, Tostão. Zagallo montou o melhor time da história do futebol. Ganhamos. Lembro até hoje das festas nas ruas dos subúrbios do Rio.

O tempo passou. Zagallo seguiu sua carreira invejável no mundo da bola. Me tornei jornalista e, em 1991, assumi a chefia da editoria de Esportes do jornal “O Globo”. Em 1993 encasquetei com a implicância de Zagallo com Romário. O Brasil corria o risco de não ir à Copa dos Estados Unidos e o melhor jogador do mundo não era sequer convocado, devido a uma birra de Zagallo, então assistente do técnico Carlos Alberto Parreira.

Continua depois da publicidade

Irritado, numa coluna do jornal, fiz uma piada estúpida: o chamei de Zagagallo. Não há um dia de minha vida que não me arrependa e não me envergonhe dessa infâmia.

(O Baixinho Marrento foi somente convocado para o último e decisivo jogo das Eliminatórias, contra o Uruguai no Maracanã, fez os dois gols da vitória, o resto é história. Zagallo conquistaria em 1994 seu quarto título mundial.)

Falar do Zagallo vitorioso, dentro e fora de campo, é chover no molhado. Ele era uma figura muitas vezes irritadiça – o mítico “Vocês vão ter que me engolir” era uma dura resposta a jornalistas de São Paulo que defendiam sua saída da seleção.

Ele era, também, divertido e provocador. Lembro de um dia na cobertura jornalística da seleção na França, em 1998. Uma equipe da televisão equatoriana perseguia o nosso então técnico. O repórter insistia, implorava por uma fala histórica:

Continua depois da publicidade

-Senhor Zagallo, senhor Zagallo, um saludo para Equador! Senhor Zagallo, senhor Zagallo, por favor, um saludo para Equador!

Zagallo então parou. Olhou fixamente para a câmara, fez pose de filósofo, pensou por alguns segundos. E proferiu, como um estadista:

-Saludo, Equador!
Virou as costas, foi se embora, se divertindo com as gargalhadas de todos os jornalistas – inclusive os equatorianos.

O futebol brasileiro terá uma dívida eterna com Zagallo. Uma gratidão sem preço. Velho Lobo, Mestre dos Mestres, minhas desculpas, meu respeito e meu eterno agradecimento.

Continua depois da publicidade

Confira a tabela dos times catarinenses na Copa São Paulo de Futebol Júnior

Neymar, Isac Niltton, Denzel Washington: veja os apelidos mais curiosos da Copinha

Publicidade

Além de muita informação relevante, o NSC Total e os outros veículos líderes de audiência da NSC são uma excelente ferramenta de comunicação para as marcas que querem crescer e conquistar mais clientes. Acompanhe as novidades e saiba como alavancar as suas vendas em Negócios SC

Destaques do NSC Total