nsc
nsc

Mobilização

Após resultado ruim na qualidade da água da Beira-Mar Norte, prefeitura e Casan buscam explicações

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
01/07/2019 - 04h45 - Atualizada em: 01/07/2019 - 20h36
(Foto: Gabriel Lain / Diário Catarinense)

O resultado mais recente da medição de balneabilidade na Beira-Mar Norte, em Florianópolis, publicado pela coluna no final de semana, mobilizou prefeitura e Casan. O levantamento do Instituto do Meio Ambiente (IMA) feito mensalmente apontou que em junho o nível de coliformes fecais no único ponto de monitoramento da praia, no bolsão onde está o monumento da PM, foi de 6.867. O limite para indicar a água própria para banho é de 800.

Segundo a prefeitura, a medição de junho ocorreu em 26 de junho, quando choveu. Por isso, alega, o índice teve uma piora considerável em relação a maio, onde a análise apontou para o índice de 285. A tese, no entanto, não ganha força quando observados os relatórios de chuva da última quarta-feira, no dia da coleta feita pelo IMA.

O colega e meteorologista, Leandro Puchalski, conta que foram entre sete e nove milímetros no período da manhã e 12 milímetros no dia inteiro, conforme dados das estações meteorológicas instaladas na cidade. A medição do IMA na Beira-Mar ocorreu às 11h21min. Em maio, por exemplo, as condições eram semelhantes e o resultado foi diferente.

Diante das informações da quantidade de chuva, o chefe de gabinete do prefeito Gean Loureiro, Bruno Oliveira, disse que a Casan, responsável pelo sistema que promete dar balneabilidade à Beira-Mar Norte, será questionada do resultado e de um possível uso do extravasor. 

A Casan, via assessoria de imprensa, respondeu que o índice de junho “só aumenta os sinais de alerta e atenção dos técnicos”. A companhia afirma que “continua monitorando o sistema com medições semanais e providenciando ajustes sempre que constata alguma irregularidade em válvula, em bomba ou mesmo no sistema de tratamento da URA”.

Durante esta semana, técnicos da Casan vão ao local avaliar a válvula no ponto onde o IMA faz a medição. Da mesma forma que a prefeitura, a companhia também destacou que a coleta da água ocorreu em dia de chuva e diz que poderá dar uma resposta mais precisa depois que a equipe técnica analisar os dados das medições semanais próprias e a unidade onde é feita medição do instituto.

Leia também: Audiência vai debater estudo de impacto ambiental de emissário submarino no Sul da Ilha

Quer mais

A prefeitura de Florianópolis quer convencer o IMA a fazer análises semanais da água da Beira-Mar Norte. O Instituto, no entanto, só faz isso durante o verão, quando a informação é mais valiosa por conta do aproveitamento das praias. Fora da temporada as medições são mensais. O ponto somente se torna próprio para banho caso o resultado da coleta apresente índice inferior a 800 por três vezes consecutivas. A água da Beira-Mar Norte tinha conseguido uma em maio, mas o resultado de junho interrompeu a sequência que poderia ser positiva.

Deixe seu comentário:

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Últimas do colunista

Loading interface...
Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas