nsc
    nsc

    As PPPs

    As razões da PEC das parcerias público-privadas

    Compartilhe

    Ânderson
    Por Ânderson Silva
    12/04/2019 - 03h10
    (Foto: Divulgação)

    Autor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que condiciona as parcerias público-privadas (PPPs) do Estado à aprovação na Alesc, o deputado Milton Hobus (PSD) diz que a transparência é o seu principal objetivo com o texto. Segundo ele, a ideia veio depois de um estudo que apresentou o cenários das PPPs no Brasil. O levantamento, diz o parlamentar, mostra que das 53 parcerias feitas no país, 42 trouxeram problemas com passivos para os Estados e municípios.

    — Uma PPP e uma concessão são complexas, mexem com a vida das pessoas. Por que tirar o poder de debate de um poder eleito pelo povo justamente para fazer isso? A análise da Assembleia será ajuda e aumenta a transparência – opina o autor da PEC.

    A altera proposta por Hobus vai mudar o marco regulatório das parcerias aprovado na Alesc em 2017. À época, o pessedista fazia parte do parlamento, mas não lembra se estava licenciado para atuar na secretaria da Defesa Civil. Quando perguntado do motivo de não ter apresentada a emenda durante a discussão do projeto, alegou que não lembra de ter passado pelo assunto: “é algo que eu particularmente não debati”.

    Sobre a reação de entidades civis organizadas, Hobus não enxerga que a homologação da Alesc trará mais burocracia ao processo. Caso o projeto vá em regime de urgência, alega, em 45 dias a proposta é votada: “o que atrapalha trazer transparência para a sociedade? Zero. Zero problema. Uma coisa tão séria assim tem que ser debatida”.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas