nsc
    nsc

    JUDICIÁRIO

    Depois de 20 anos, lei de Santa Catarina é considerada inconstitucional pelo STF

    Compartilhe

    Ânderson
    Por Ânderson Silva
    06/10/2020 - 06h28 - Atualizada em: 06/10/2020 - 08h55
    STF analisa a ação de Santa Catarina desde 2000
    STF analisa a ação de Santa Catarina desde 2000 (Foto: Gil Ferreira/SCO/STF)

    Foram 20 anos para o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar o mérito de uma lei de Santa Catarina e declará-la inconstitucional. A proposta isentava pessoas sem renda do pagamento das contas de luz, água e gás no Estado. O texto foi aprovado em 2000 na Assembleia Legislativa (Alesc). Ele chegou a ser vetado pelo Executivo, mas os parlamentares derrubaram o veto e a lei foi promulgada.

    Moisés veta projeto que proíbe reajuste das contas de luz, água e gás durante a pandemia em SC

    Na semana passada, o plenário virtual do STF terminou a votação do mérito da ação direta de inconstitucionalidade (ADI) que foi proposta pelo próprio governo do Estado. Em 2002, o plenário do Supremo havia decidido suspender a legislação de forma liminar, mas a análise completa do texto somente ocorreu neste começo do mês de outubro.

    Moisés escolhe um lado na disputa entre Procon e Celesc por valor da conta de luz

    De acordo com o sistema de consulta de processos do STF, desde 2003 o processo está pronto para julgamento. Mesmo assim, só foi pautado em setembro de 2020. O relator era o ministro Celso de Mello.

    Estados não podem interferir

    O entendimento do relator, seguido pela maioria dos ministros do STF, foi de que "os Estados membros não podem interferir na esfera das relações jurídico-contratuais entre o poder concedente (a União Federal e os Municípios, no caso) e as empresas concessionárias, notadamente em face do que prescreve a própria Constituição da República". 

    Celso de Mello ainda lembrou que o próprio Supremo já tinha entendimentos no mesmo sentido em questões semelhantes.

    Exemplo para lei vetada por Moisés

    A discussão feita pelo STF nesta questão se aproxima de uma lei recentemente vetada pelo governador Carlos Moisés. A proposta aprovada na Alesc, de autoria de Milton Hobus (PSD), prevê que as empresas públicas estão proibidas de aplicar reajustes nas contas de luz, água e gás até o final do período de calamidade pública por conta do coronavírus e Santa Catarina.

    Para Moisés, o texto é inconstitucional. A orientação da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) é de que a alteração invade a competência da União para legislar sobre os serviços. As concessionárias também se posicionaram de forma contrária.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas