nsc
    nsc

    Saúde

    Florianópolis espera cloroquina do governo federal e dará autonomia aos médicos para tratamento precoce

    Compartilhe

    Ânderson
    Por Ânderson Silva
    07/07/2020 - 10h23 - Atualizada em: 07/07/2020 - 11h05
    Tratamento precoce tem causado polêmica em Santa Catarina (Foto: Código19/Folhapress)
    Tratamento precoce tem causado polêmica em Santa Catarina (Foto: Código19/Folhapress) (Foto: Tratamento precoce tem causado polêmica em Santa Catarina (Foto: Código19/Folhapress))

    Os médicos da rede municipal de Florianópolis terão autonomia para prescrever o tratamento precoce para coronavírus. Após reuniões nesta segunda-feira, a prefeitura decidiu não impor a medicação, mas aguarda a vinda da cloroquina solicitada ao governo federal para dispobilizar aos profissionais. O restante dos materiais, como a ivermectina, já está disponível nas farmácias públicas.

    Carta de médicos ao governador defende cloroquina e ivermectina para casos iniciais de Covid-19 em SC

    A cloroquina foi solicitada ao ministério da Saúde ainda na semana passada, mas até agora não chegou à Capital catarinense. Em uma reunião nesta quarta-feira com o ministro Eduardo Pazuello, o prefeito Gean Loureiro vai pedir novamente o enviado do medicamento.

    A decisão de conceder autonomia sem a obrigatoriedade veio depois de uma conversa com o Conselho Regional de Medicina (CRM), de acordo com Gean. Uma das preocupações discutidas foi o constrangimento que poderia ser causado ao profissional diante da polêmica envolvendo o tratamento precoce.

    Um grupo de profissionais que defende a aplicação dos remédios também se reuniu com o prefeito na tarde de segunda-feira. Eles pediram que o tratamento fosse obrigatório, mas Gean optou por permitir que cada profissional opte ou não pela medicação. Uma comunicação interna será enviada aos profissionais de saúde sobre a questão.

    Médicos pedem uso do tratamento

    Um grupo de 300 médicos de Santa Catarina assina uma carta que será entregue ao governador Carlos Moisés (PSL) e ao secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, pedindo que o Estado estabeleça um protocolo de tratamento precoce para o novo coronavírus, para ser aplicado em fases iniciais da doença. A proposta dos médicos inclui cloroquina, hidroxicloroquina, vitaminas e o vermífugo ivermectina.

    Leia também:

    Natalia Pasternak: coquetel de medicamentos com ivermectina é baseado em medicina fantasiosa, não em ciência

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas