nsc
nsc

publicidade

Novo capítulo

Moeda Verde: o que está em jogo no TRF4

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
29/05/2019 - 04h10 - Atualizada em: 29/05/2019 - 04h08
(Foto: Flávio Neves / Agência RBS)

Doze anos após a Polícia Federal (PF) cumprir mandados de prisão e busca e apreensão em Santa Catarina no combate a supostas liberações de licenças ambientais com atos de corrupção, a operação Moeda Verde terá nesta quarta-feira (29) um capítulo importante no Judiciário. Serão julgados em segunda instância no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) os recursos referentes à sentença da Justiça Federal de Florianópolis.

Com o atual entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), os desembargadores podem determinar o cumprimento da condenação ao final do julgamento em caso de manutenção das penas depois dos prazos de recursos no próprio TRF4. Mesmo assim ainda será possível recorrer ao próprio STF e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Todos aguardam julgamento em liberdade.

Na primeira instância, o juiz federal Marcelo Krása Borges condenou 16 pessoas físicas e sete jurídicas a penas que variam de sete meses de prisão em regime aberto até 28 anos de prisão em regime fechado. Outras 13 pessoas físicas e quatro jurídicas foram absolvidas.

A investigação que desencadeou a Moeda Verde começou em 2006, mas em maio de 2007 foram feitas 22 prisões temporárias em Florianópolis – foi a primeira vez que os empresários e políticos da Ilha de Santa Catarina foram para a carceragem da Polícia Federal. Os presos logo ganharam a liberdade, mas houve desdobramentos como uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara de Vereadores e depois batalhas jurídicas nos tribunais.

Os procuradores do Ministério Público Federal (MPF) que assinaram a denúncia, João Marques Brandão Neto e Eduardo Barragan Serôa da Motta, concluíram que haveria uma quadrilha na Capital e que dela fariam parte empregados da empresa e servidores públicos de um esquema de corrupção para invasões e ocupações de áreas públicas. Com base em documentos, e-mails e interceptações da PF, os procuradores relatam que o grupo se destinava a praticar crimes contra o meio ambiente, o patrimônio público (especialmente com a grilagem de terras públicas) e a administração pública.

No julgamento desta quarta, os três membros da 8a Turma do TRF4 vão analisar recursos dos advogados de defesa dos condenados e do MPF, que tenta reverter absolvições. 

O grupo de julgadores é o mesmo responsável pelos recursos da operação Lava-Jato. 

O relator no caso da Moeda Verde é Leandro Paulsen. Também integram a turma os desembargadores João Pedro Gebran Neto e Victor Laus.

Quem é quem

Veja abaixo quem são os condenados que terão o futuro julgado nesta quarta-feira. Saiba a pena de cada, a função que executavam à época da investigação e o que fazem atualmente. Além disso, leia o que diz a defesa dos réus:

Juarez Silveira, ex-vereador de Florianópolis. Atualmente aposentado.

Pena: sete anos, nove meses e dez dias de prisão em regime semiaberto

O que diz a defesa: Marcelo Peregrino Ferreira, advogado de Juarez, diz que acredita na absolvição do então vereador da Capital. Para ele, não havia quadrilha formada para o recebimento de diárias como denunciou a PF.

Renato Joceli de Sousa, ex-secretário de Urbanismo

Pena: sete anos, nove meses e dez dias de prisão em regime semiaberto

O que diz a defesa: para o advogado do ex-secretário, Claudio Gastão da Rosa Filho, “a denúncia é abusiva, manifestamente ilegal”, “e utiliza como fundamento para condenar fatos que sequer foram descritos pelo Ministério Público”.

Franciso Rzatki, ex-presidente da Fundam. Atualmente, está aposentado da função que exercia no ministério da Agricultura

Pena: sete anos, nove meses e dez dias de prisão em regime semiaberto

O que diz a defesa: Renato Boabaid, defensor de Rzatki, diz que houve cerceamento de defesa contra o seu cliente. Além disso, alega ausência de provas para a condenação.

Roger Rodrigues da Silva, Leonardo de Barros Fagundes Ribeiro e T&T Gastronomia Ltda, empresários donos do Café de La Musique

Pena: pessoas físicas com pena de sete meses de prisão em regime aberto, que foi substituída pela prestação de serviços à comunidade por sete meses. A pessoa jurídica foi condenada a pagar multa de 30 dias multa.

O que diz a defesa: o corpo jurídico do Café de La Musique se manifestará somente após o julgamento.

Aroldo Carvalho Cruz Lima e Novo Brasil Bar e Restaurante Ltda, empresário dono do grupo Novo Brasil

Pena: sete meses de detenção em regime aberto, pena que foi substituída pela prestação de serviços à comunidade por sete meses. A pessoa jurídica: pena de 30 dias multa.

O que diz a defesa: o advogado Francisco Ferreira pedirá a absolvição total dos seus clientes.

Péricles de Freitas Druck, empresário fundador da Habitasul

Pena: 28 anos de prisão em regime fechado, mais sete meses em regime aberto pelos crimes ambientais, que foi substituída pela prestação de serviços à comunidade.

O que diz a defesa: os advogados da Habitasul vão usar um parecer do jurista Miguel Reale Júnior, que segundo eles não enxerga corrupção nos atos praticados por eles. Na questão ambiental, a defesa entende que a decisão do STJ no caso cível já declarou as construções como legais.

IACOI, CHP e JOS, empresas ligadas à Habitasul

Pena: 60 dias multa

O que diz a defesa: os advogados da Habitasul vão usar um parecer do jurista Miguel Reale Júnior, que segundo eles não enxerga corrupção nos atos praticados por eles. Na questão ambiental, a defesa entende que a decisão do STJ no caso cível já declarou as construções como legais.

HEI, Habitasul Empreendimentos Imobiliários, empresa responsável pelo loteamento e construção de Jurerê Internacional

Pena: 30 dias multa

O que diz a defesa: os advogados da Habitasul vão usar um parecer do jurista Miguel Reale Júnior, que segundo eles não enxerga corrupção nos atos praticados por eles. Na questão ambiental, a defesa entende que a decisão do STJ no caso cível já declarou as construções como legais.

Andrea Pereira Druck e Carlos Berenhauser, ambos membros da diretoria da Habitasul

Pena: um ano e sete meses de detenção em regime aberto, que foi substituída pela prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período

O que diz a defesa: os advogados da Habitasul vão usar um parecer do jurista Miguel Reale Júnior, que segundo eles não enxerga corrupção nos atos praticados por eles. Na questão ambiental, a defesa entende que a decisão do STJ no caso cível já declarou as construções como legais.

Hélio Scheffel Chevarria, ex-diretor de engenharia de Jurerê Tradicional. Deixou o cargo em 2010

Pena: 24 anos e três meses de prisão em regime fechado

O que diz a defesa: Leonardo Pereima, defensor de Chevarria, pretende demonstrar que não ficou configurado os crimes de corrupção atribuídos a ele.

Leandro Schoninger, funcionário da Habitasul. Continua na empresa

Pena: 15 anos de prisão em regime fechado

O que diz a defesa: os advogados da Habitasul vão usar um parecer do jurista Miguel Reale Júnior, que segundo eles não enxerga corrupção nos atos praticados por eles. Na questão ambiental, a defesa entende que a decisão do STJ no caso cível já declarou as construções como legais.

Fernando Tadeu Habckost, era funcionário da Habitasul, mas já não trabalha mais no local. 

Pena: 14 anos em regime fechado

O que diz a defesa: os advogados da Habitasul vão usar um parecer do jurista Miguel Reale Júnior, que segundo eles não enxerga corrupção nos atos praticados por eles. Na questão ambiental, a defesa entende que a decisão do STJ no caso cível já declarou as construções como legais.

Leandro Martins Adegas do Santos e O Santo Entretenimento, proprietário de beach club em Jurerê Internacional

Pena: sete meses de detenção em regime aberto, que foi substituída pela prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período de tempo, e 20 dias multa para o estabelecimento.

O que diz a defesa: no recurso ao TRF4, os advogados argumentaram, entre outros pontos, “que o sujeito ativo dos referidos delitos é o dono da edificação, não podendo os recorrentes, que são locatários, dispor sobre a área construída”.

Marcelo Vieira Nascimento, geógrafo da Floram à época da operação. Até abril deste ano, continuava na mesma função prefeitura da Capital

Pena: sete anos, nove meses e dez dias de reclusão em regime semiaberto

O que diz a defesa: a defesa de Marcelo Vieira Nascimento, no recursos, pediu a absolvição do réu.

André Luiz Dadam, ex-servidor da Fatma. Atua agora como advogado

Pena: sete anos, nove meses e dez dias de reclusão em regime semiaberto

O que diz a defesa: em suas razões recursais, a defesa de André Luiz Dadam pede a nulidade do processo sob o argumento de uso de prova ilegal e diz que não há comprovação do crime de corrupção passiva.

Rubens Bazzo, ex-servidor da secretaria de Urbanismo na época

Pena: sete anos, nove meses e dez dias de reclusão em regime semiaberto

O que diz a defesa: o advogado de Rubens Bazzo quer a absolvição dele na condenação pela prática de corrupção passiva sob a alegação de que as provas colhidas na instrução criminal são insuficientes.

Felipe Carneiro / Agência RBS
(Foto: )

Deixe seu comentário:

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Últimas do colunista

Loading interface...
Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

publicidade

publicidade

Mais colunistas

    publicidade

    publicidade

    Mais colunistas