nsc
nsc

"Mais Brasil, menos Brasília"

Moisés rebate pedido de Bolsonaro sobre retirada do ICMS dos combustíveis

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
10/02/2020 - 14h21 - Atualizada em: 10/02/2020 - 14h30
Carlos Moisés e Bolsonaro durante o Congresso de Gideões, em 2019 (Foto: Peterson Paul/Secom)
Carlos Moisés e Bolsonaro durante o Congresso de Gideões, em 2019 (Foto: Peterson Paul/Secom)

O ICMS sobre o valor dos combustíveis tornou-se o centro de uma polêmica envolvendo o presidente da República, Jair Bolsonaro, e os governadores. Isso ocorreu a partir da semana passada, quando Bolsonaro "desafiou" os chefes dos Executivos estaduais a retirar o imposto do produto. Caso isso ocorra, segundo ele, o governo federal também faria cortes nos valores da União sobre os combustíveis.

Em Santa Catarina, porém, o governador Carlos Moisés da Silva rebateu o pedido do presidente nesta segunda-feira, em entrevista ao Bom Dia SC, da NSC TV. Segundo ele, a melhor solução é a reforma tributária "tão demandada pelos governadores e prometida pelo nosso presidente":

— Acho que a bola 'quicou' para todos os governadores e para dizer o seguinte: 'Olha, nós queremos exatamente aquilo que foi prometido, mais Brasil, menos Brasília, menos União'. Então Santa Catarina produz mais de R$ 50 bilhões de tributos federais por ano e recebe 2% disso. Então os nossos empresários daqui do nosso Estado produzem e recebem 2% disso, nós queremos 10%. Está bom, a União pode ficar com 90% do que nós produzimos aqui, da mesma forma também esse movimento da revisão dos incentivos fiscais. Os combustíveis, a gasolina, representaram em 2018 R$ 2,5 bilhões e em 2019 R$ 2,6 bilhões. E se você abre mão disso, você vai tirar serviço da população menos assistida. Esse movimento tem que ser de responsabilidade — afirma.

Relação com o presidente

Na mesma entrevista, ele respondeu sobre a relação com Bolsonaro. Moisés foi eleito na onda bolsonarista de 2018 e recebeu muitas cíticas recentemente por ter se distanciado de ideias do Presidente da República. No Bom Dia SC, porém, ele citou exemplos de aproximação com Bolsonaro como o texto da Reforma da Previdência enviado à Alesc, aos moldes do que foi aprovado pelo governo federal no Congresso Nacional.

— Distanciamento não é andar de mãos dadas. É fazer aqui (em SC) o que ele (Bolsonaro) faz lá em cima (Brasília).

Mais à frente, Moisés disse que, na visão dele, Bolsonaro deveria reunir mais vezes os governadores: "a gente pode avançar nisso", afirmou.

Deixe seu comentário:

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Últimas do colunista

Loading interface...
Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas