A alta procura pelas emergências dos hospitais de Florianópolis e da região fez com que as unidades públicas atingissem limites de superlotação nos últimos dias. Às vésperas do Carnaval, a Capital catarinense chegou a uma situação preocupante. Segundo informações as quais a coluna teve acesso, um dos casos mais críticos está no Hospital Regional de São José. Lá, por exemplo, a direção da unidade emitiu dois comunicados nesta terça-feira (7) alertando que não pode, temporariamente, mais receber pacientes. Mesmo assim, duas ambulâncias e um helicóptero teriam levado pessoas até lá durante o dia.

Continua depois da publicidade

Justiça derruba o primeiro decreto que desobriga a vacinação de crianças contra Covid em SC

A recomendação é que os pacientes sejam levados para outros hospitais. No entanto, as duas principais portas de entrada para atendimento médico de Florianópolis também estão em condições de lotação. O Hospital Celso Ramos, no Centro, e o Hospital Universitário, enfrentam alta procura nos últimos dias, o que reforça a condição de preocupação na Grande Florianópolis.

Para se ter uma ideia do quadro preocupante, no Hospital Regional a direção informou às equipes de Samu, Corpo de Bombeiros e demais grupos de socorro que 16 macas ficaram retidas no local. Ou seja, por falta de leitos, os equipamentos usados pelos socorristas servem de “cama” para os pacientes que chegam até a unidade.

Nos comunicados enviados nesta terça-feira (7), o hospital decretou: “Estamos recebendo pacientes em vaga zero”. A situação vale para as emergências clínica e cirúrgica.

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total