nsc
nsc

Investigação

Presidente de escola de samba de Florianópolis é procurado pela Polícia Civil

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
10/05/2019 - 11h24 - Atualizada em: 02/04/2020 - 06h45
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

ATUALIZAÇÃO: em 1º de abril de 2020, Josué Costa e os outros dois investigados foram absolvidos dos crimes pela 3ª Vara Criminal de Viamão. Leia sobre a absolvição aqui.

As Polícias Civis de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul procuram por Josué Costa, presidente da Embaixada Copa Lord, escola de samba de Florianópolis. Ele é acusado de extorsão mediante sequestro por um crime iniciado na Capital e concluído em Viamão, na região Metropolitana de Porto Alegre. Na quinta-feira (9), os policiais civis foram até a casa dele, no Morro da Caixa, no Centro da Capital catarinense, para cumprir mandados de prisão e busca e apreensão, mas não o encontraram. Por isso, ele é considerado foragido.

O presidente da escola é apontado pela investigação da Polícia Civil gaúcha como o mandante do crime ocorrido no começo de abril deste ano. Segundo os policiais, a principal vítima, de 57 anos, tinha dívidas com Josué. Por isso, três homens sequestraram o devedor e, além de o agredir, mantiveram mais três pessoas da mesma família em cárcere privado. Uma delas, de 61 anos, foi obrigada a pagar o valor de R$ 250 mil para que os familiares fossem liberados.

Em 3 de abril, a Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) do RS invadiu o local onde as vítimas eram mantidas como reféns. Três pessoas foram presas, entre elas o filho e o genro de Josué. Com o avanço das apurações, os agentes cumpriram mandados em Florianópolis nesta quinta-feira através da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) de Santa Catarina.

Contraponto

Marcos Paulo Silva dos Santos e Marcelo Gonzaga são os advogados de Josué Costa. Ambos preparam uma defesa que será entregue nos próximos dias ao juiz responsável pelo caso em Viamão, que determinou a prisão e a busca e apreensão. Segundo Marcos Paulo, o presidente da escola de samba desconhece oficialmente a intimação, mas sabe que a polícia esteve na casa dele na quinta-feira.

O advogado diz que a intenção é "esclarecer os fatos". Para Marcos Paulo, o juiz precisa ouvir "os dois lados da história e não tomar nenhuma atitude precipitada". O defensor alega não ter acesso a nenhum dos fatos atribuído a Josué.

Já o advogado Marcelo Gonzaga alega que a defesa pedirá a revogação da prisão preventiva: "Ressaltamos que em nenhum momento Josué foi ouvido no curso das investigações para que pudesse apresentar a versão dos fatos, mesmo que tivesse a época se prontificado para tal".

Copa Lord

Em nota divulgada neste sábado, a Copa Lord reforça que as investigações envolvendo Josué "são uma responsabilidade dele como pessoa física e absolutamente não tem qualquer tipo de ligação ou envolvimento com a agremiação". Segundo a escola, durante a sua gestão não houve nada que o desabonasse enquanto presidente. Enquanto isso, afirma o texto, a agremiação está sob os cuidados da diretoria executiva, que em breve fará uma reunião para definir os próximos passos dentro da escola.

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas