nsc
    nsc

    Acordo revogado

    Paulo Bauer limpou o nome

    Compartilhe

    Por Cacau Menezes
    06/06/2019 - 15h14 - Atualizada em: 07/06/2019 - 19h33
    (Foto: Divulgação)

    Ex-senador Paulo Bauer comemora: nesta terça-feira (4) a Procuradoria Geral da República-PGR decidiu revogar o acordo de delação premiada firmado com o diretor de uma empresa paulista que teria acusado o político catarinense de ter se beneficiado financeiramente em troca de favores prestados como Senador da República. Mencionavam que Bauer usou recursos também na campanha ao governo do Estado em 2014 e não os contabilizou. 

    A decisão se baseia no fato de o diretor que o acusou ter mentido, não ter revelado atos ilegais que praticou e por isso ter usado da omissão para se proteger das penalidades legais às quais estaria sujeito. 

    Correção

    Ainda é cedo para inocentar Paulo Bauer (PSDB/SC), que ainda é investigado pelos crimes de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro. Cabe agora ao relator, ministro Edson Fachin, analisar e decidir se homologa ou não a rescisão do acordo. Na delação, Mello afirmou que Bauer teria recebido R$ 11,5 milhões em doações não-contabilizadas – caixa 2 – na campanha ao governo do Estado em 2014. O ex-senador nega tudo.

    Leia também: Eduardo Cunha diz que tem bomba para oferecer em delação premiada

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas