nsc
    nsc

    Análise

    Por que o governo erra ao publicar MP que permite suspensão de contratos e salários

    Compartilhe

    Carolina
    Por Carolina Bahia
    23/03/2020 - 11h37 - Atualizada em: 23/03/2020 - 11h38
    Partidos de oposição se mobilizam e vão ao Supremo Tribunal Federal contra a medida (Foto: Felipe Sampaio / STF / Divulgação)
    Partidos de oposição se mobilizam e vão ao Supremo Tribunal Federal contra a medida (Foto: Felipe Sampaio / STF / Divulgação)

    O Ministério da Economia errou a mão ao começar as ações contra os efeitos econômicos do coronavírus com uma medida provisória que permite a suspensão de contratos e salários por quatro meses. É como se a conta da crise caísse somente no colo do trabalhador da iniciativa privada, enquanto servidores públicos continuam com salários e estabilidade assegurados.

    Além disso, o texto não garante nenhum colchão social para essas pessoas que eventualmente tenham os contratos suspensos pelo período de quatro meses. A promessa dos técnicos da pasta é que, em seguida, uma nova MP será editada com a antecipação do seguro-desemprego. Por que as duas medidas provisórias não saíram juntas? O ministro da Economia, Paulo Guedes, desapareceu nos últimos dias.

    :: Em site especial, saiba tudo sobre coronavírus

    Quem está explicando e defendendo o texto são os técnicos da pasta. É claro que algo deve ser feito na área trabalhista, que a crise na economia será aguda, mas a primeira medida deveria ser um sinal ao trabalhador, com as devidas explicações.

    Embora tenha o objetivo de evitar demissões em massa e ações importantes, como a regulamentação da antecipação das férias, a MP tem tudo para ser rechaçada pelo Congresso. Partidos de oposição já se mobilizam para entrar no Supremo Tribunal Federal contra a proposta e há pressão para que os presidentes da Câmara e do Senado devolvam a MP para o Executivo.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas