nsc
    nsc

    Antes do antentado

    Bolsonaro recebeu prece sobre o abdômen na primeira passagem pelos Gideões em Santa Catarina

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    02/05/2019 - 12h14 - Atualizada em: 02/05/2019 - 18h26
    (Foto: Reprodução Gideões)
    (Foto: Reprodução Gideões)

    O presidente Jair Bolsonaro (PSL) escolheu o 37º Congresso de Gideões para sua primeira viagem oficial a Santa Catarina, nesta quinta-feira (02). O evento é um dos maiores encontros missionários evangélicos do mundo, e já chegou a reunir 150 mil pessoas em edições anteriores.

    Esta é a segunda vez que Bolsonaro vem ao encontro. Na primeira, em 2018, ele recebeu uma prece sobre o abdômen. O fato ocorreu quatro meses antes do presidente levar uma facada, durante um compromisso da campanha eleitoral na cidade de Juiz de Fora (MG), que o afastou das ruas.

    A coincidência fez com que as imagens da prece dos Gideões ganhassem grande repercussão após o atentado. E alimentassem, inclusive, as teorias da conspiração que envolvem o fato.

    O vice-presidente dos Gideões, pastor Hueslen Santos, acompanhou a visita de Bolsonaro no ano passado. Diz que foi perguntado ao presidente se ele aceitaria uma oração pela sua vida e de sua família, e ele aceitou. Naquele momento, a primeira-dama colocou a mão sobre o abdômen de Bolsonaro. A prece foi feita pelo missionário dos Gideões no Japão, Dorgival Dimonti.

    — Foi um ato profético. Logo depois, na campanha, ele sofreu o atentado e Deus preservou a vida do presidente - disse o pastor.

    Bolsonaro não informou se foi esse o motivo que o fez voltar a Camboriú. No ano passado, ele disse que, se eleito, retornaria ao evento.

    Esta será a primeira vez que um presidente da República visita o encontro dos Gideões. O congresso apresenta e recolhe fundos para as missões de evangelização espalhadas por 44 países, que são tocadas por mais de mil missionários.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas