nsc
nsc

Coronavírus

Câmara de Vereadores desobedece quarentena e tem sessão interrompida pela polícia em Santa Catarina

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
30/03/2020 - 20h52 - Atualizada em: 31/03/2020 - 05h55
Sessão da Câmara de Penha interrompida (foto: Reprodução)
Sessão da Câmara de Penha interrompida (foto: Reprodução)

A Câmara de Vereadores de Penha, no Litoral Norte, desrespeitou nesta segunda-feira (30) o decreto do Governo do Estado que proíbe reuniões presenciais, para prevenção do coronavírus, e realizou uma sessão ordinária. O encontro foi interrompido pela Polícia Militar. O presidente do Legislativo, vereador Isac da Costa (PL) responderá a um Termo Circunstanciado.

O procedimento foi lavrado pelo comandante da PM em Penha, Bruno Monteiro. Imagens da sessão, transmitidas pelas redes sociais, mostram que o presidente termina rapidamente a reunião com a chegada do oficial. Os vereadores participaram da sessão usando máscaras.

O comandante disse que interveio porque a reunião era ordinária, sem nenhuma matéria de urgência para ser votada - foram apreciados três projetos, e nenhum deles tinha relação com a emergência de saúde pública e econômica causada pela pandemia.

A sessão irregular havia sido anunciada no site da Câmara de Vereadores. Em mensagem à coluna, o presidente do Legislativo de Penha, vereador Isac, disse que os vereadores do grupo de risco foram dispensados. " Decidi realizar a reunião a portas fechadas, seguindo todas as recomendações da OMS e do Ministério da Saúde, conforme estão seguindo os bancos, lotéricas e serviços essenciais como os supermercados".

Ele afirmou que a Câmara não foi aberta ao público. "Acredito que o nosso trabalho precisa ser cumprido. Os vereadores têm papel fundamental neste momento de crise". Sobre a possibilidade de fazer a reunião por videoconferência, o presidente respondeu que a Câmara "não tem sistema nem condições" para trabalho remoto.

O Termo Circunstanciado lavrado pelo comandante da PM é pelo artigo 268 do Código Penal, que fala em "infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa". Em caso de condenação, a pena é um mês a um ano de prisão, e multa.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​​​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas