nsc
nsc

Homofobia

Intolerância: Aluna de psicologia ‘denuncia’ bandeira LGBT na casa do professor em SC

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
20/08/2020 - 15h52
Publicação de aluna de psicologia
Publicação de aluna de psicologia (Foto: Reprodução)

Uma pequena bandeira com as cores do arco-íris, símbolo do movimento LGBT+, virou o pivô de uma polêmica com pitadas de preconceito e intolerância, que envolve as aulas remotas da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), Uma universitária do curso de Psicologia usou as redes sociais para reclamar da bandeira, que podia ser vista nas aulas online de um professor. O detalhe é que a bandeira estava na sala da casa dele, em ambiente privado.

Devido à pandemia, as aulas são transmitidas online, e o professor leciona em home office. Diante da repercussão do caso, ele não quis falar sobre o ocorrido. O fato é que, depois da reclamação feita pela aluna, a bandeira foi retirada da parede da sala da casa. 

> Livro com temática LGBT é vetado em edital do governo do Estado em Santa Catarina

No Instagram, a garota, que se disse cristã, comparou o símbolo universal do orgulho LGBT com “crucifixos e sinais de fé” e chamou a bandeira, equivocadamente, de “ideologia”. A comparação chama atenção, já que o caso em questão não trata de ambiente acadêmico. “Crucifixos e sinais de fé não podem, e ok por isso, pois não fazem parte do contexto educacional. Mas símbolos e ideologias fora do mesmo contexto, que eles mesmo tanto reclamam, podem ser utilizadas. Afinal, a ideologia e doutrinação estão sempre presentes”, escreveu. 

> Dissertação de mestrado tem título censurado na Univali por citar Bolsonaro

Diante da repercussão, a universitária voltou à rede social para dizer que não pediu que o professor retirasse a bandeira de casa, mas que “sala de aula é um lugar para todos e o professor, como formador de opinião, tem que ter cuidado com o que ele coloca e expõe”. Em uma nota pública, nesta quarta-feira (18), ela repetiu que "a sala de aula não é o lugar que julgo adequado para a manifestação/exposição de ideologias ou símbolos, sejam eles de cunho religioso ou social". Disse ainda que não tinha a intenção de prejudicar o professor.

Código de Ética

A polêmica em torno da publicação envolveu não apenas o tom preconceituoso, mas também o fato da jovem ser estudante de Psicologia, perto de se formar. O Colegiado do Curso de Psicologia da Univali e o Núcleo Docente emitiram uma nota de repúdio em que citam o papel do psicólogo e o Código de Ética Profissional. O documento, que norteia os princípios da profissão, diz que a atuação do psicólogo deve envolver “reflexão sobre o preconceito e o desaparecimento de discriminações e estigmatizações”, e prevê que os profissionais não se pronunciem de forma a reforçar preconceitos.

A nota diz que o Colegiado e o Núcleo repudiam “qualquer ato discriminatório e preconceituoso que viole os Direitos Humanos, a pluralidade de ideias, a livre expressão do indivíduo, a liberdade de manifestação de pensamento e as garantias individuais, especificamente, nesse caso, envolvendo a comunidade LGBTQIA+”.

O Centro Acadêmico do curso também se manifestou, dizendo esperar que o professor “possa se expressar sem censura por parte da Univali e de qualquer outra pessoa daqui para frente”, e que a universidade “tome medidas de combate à discriminação, e que este tipo de violência, que afeta não só professores, mas também acadêmicos da Univali seja combatida”.

Em nota, a Univali afirma que “não compactua com declarações, atos, condutas ou manifestações que incitem discursos discriminatórios, autoritários ou preconceituosos. Ao contrário, a Instituição zela incondicionalmente pelo respeito à pluralidade de ideias, à livre expressão dos indivíduos, bem como à liberdade de manifestação do pensamento e do respeito às garantias individuais, sempre atuando de forma ética no relacionamento e na formação de profissionais de vanguarda”.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas