publicidade

Navegue por
Dagmara

Camboriú

Labradora formada em SC guiará deficiente visual no Rio Grande do Sul 

Compartilhe

Por Dagmara Spautz
03/12/2018 - 15h41 - Atualizada em: 03/12/2018 - 15h43
Eva se despede dos socializadores, Fabiano a Andrielle, para seguir com Jéssica (centro) Foto: Divulgação IFC

A labradora Eva, a partir de agora, será os olhos da gaúcha Jéssica Antonio, 25 anos. Eva é a 28ª cão-guia entregue pelo projeto de formação de instrutores do Instituto Federal Catarinense (IFC), em Camboriú, pioneiro no país.

Jéssica trabalha na Defensoria Pública estadual do Rio Grande do Sul, e fazia parte do cadastro para obtenção de cão-guia na região Sul. Os cães treinados em Camboriú são destinados a deficientes visuais no RS, Paraná e Santa Catarina.

A primeira fase de adaptação ocorreu no IFC – momento em que Jéssica e Eva têm o primeiro contato, e criam vínculos. Após a entrega oficial, a segunda fase ocorre em Porto Alegre, onde Jéssica mora, para que Eva se habitue à rotina e aos locais que a nova tutora costuma frequentar.

Aberto à comunidade

O projeto cão-guia se prepara para entrar numa nova fase em Camboriú, com a primeira turma de pós-graduação para futuros instrutores vindos da comunidades _ até então, o curso era destinado somente a servidores de institutos federais. As aulas começam em fevereiro, e os selecionados vêm de todo o país.

O curso do IFC Camboriú nasceu ligado à Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República, já entregou 28 cães gratuitamente e é o primeiro projeto federal de multiplicação de centros de treinamento no Brasil. Os primeiros professores preparados no curso estão ligados a outros institutos federais, e têm a responsabilidade de educar novos guias para suas regiões de origem.

Os relatos dos usuários são de que, com o cão, o maior salto na qualidade de vida é a independência. A velocidade de caminhada volta à naturalidade com o abandono da bengala, e o animalzinho é um importante meio de inclusão social para o deficiente.

Somados os completamente cegos e pessoas com baixa visão, o Brasil tem hoje 6 milhões de deficientes visuais. Boa parte poderia ter um cão-guia, mas o número de animais treinados no país não chega a 160.

Saiba mais

- Cães-guias têm direito assegurado de usar o transporte público e de entrar em qualquer lugar, como restaurantes, shoppings, hotéis ou supermercados

- Ao encontrar um cão-guia, não chame a atenção dele nem o afague para não distraí-lo

- Nunca ofereça comida a um cão quando ele estiver a trabalho

- Cães-guias não usam focinheiras

- Labradores, golden retrievers e flat coated retrievers são as raças usadas no Brasil para o treinamento

Como receber um cão?

- É preciso estar inscrito no Cadastro Nacional feito pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República

- A triagem é feita por regiões. Quando há disponibilidade, os deficientes visuais recebem um telegrama com pedido de laudo médico e um vídeo, que mostre como ele se desloca e qual sua mobilidade.

- Instrutores, psicólogos e assistentes sociais fazem visitas para entender o estilo de vida e as necessidades do candidato.

- Se houver um cão compatível com a personalidade, velocidade de caminhada e estrutura física do deficiente visual, ele é chamado para iniciar a adaptação

- Nas três primeiras semanas de adaptação o deficiente visual fica alojado na sede do IFC em Camboriú na companhia do cão e de instrutores, para que os dois iniciem a parceria.

- A última semana é na casa do deficiente visual, também na companhia do instrutor, para que o cão se adeque à nova rotina

- O acompanhamento periódico vai ocorrer pelos próximos cinco anos.

Como se tornar um socializador?

O socializador é um voluntário, que ficará com o filhote durante um período pré-determinado, e terá responsabilidade de dar a ele as primeiras noções de como se portar nos diferentes lugares, durante o trabalho de cão-guia.

- No site do IFC Camboriú (camboriu.ifc.edu.br), clique sobre o banner do curso de instrutores de cães-guias e faça o cadastro

- Técnicos visitarão a casa e vão entrevistar a família candidata

- É importante, além da boa intenção, oferecer segurança para evitar que o cãozinho fuja ou seja roubado.

Deixe seu comentário:

Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação