nsc
    nsc

    Economia

    Levantamento do setor de hospedagem mostra que o turismo está menos rentável

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    10/09/2019 - 18h16
    Balneário Camboriú (Foto: Celso Peixoto, Divulgação)
    Balneário Camboriú (Foto: Celso Peixoto, Divulgação)

    A Pesquisa de Sondagem Empresarial do Ministério do Turismo, divulgada nesta terça-feira (10), mostra uma tendência de baixa no setor de hospedagem no segundo trimestre, em comparação com o ano passado. O levantamento mostra que 47,8% dos hoteleiros no país registrou queda na rentabilidade do negócio, em comparação com 2018. Para 45,2%, houve queda na demanda pelo destino turístico. E 47,7% afirmam que o gasto dos turistas reduziu.

    A pesquisa usa dados fornecidos por entidades do setor e pelas secretarias e órgãos de turismo de cada estado. A percepção em Santa Catarina coincide com os dados nacionais, segundo a diretora executiva da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em SC (ABIH), Lara Perdigão. A sensação, diz ela, é de que o turista ainda está com o “pé no freio”.

    A instabilidade no cenário econômico leva a priorizar os gastos essenciais, e o turismo de lazer acaba ficando em segundo plano entre as famílias. Prova disso é que a procura por reservas, a três meses do verão, ainda não aqueceu no Estado. A expectativa do trade é repetir os números da temporada 2018-2019, que teve ocupação mais modesta do que em anos anteriores.

    Investimento

    Mas também há otimismo na hotelaria: o levantamento do governo federal mostra disposição dos hoteleiros em investir nos estabelecimentos. No país, 65,9% se declararam dispostos a fazer investimentos nos próximos seis meses.

    Estado

    Em Santa Catarina, o índice é semelhante. Empresários estão aproveitando a baixa para renovar os estabelecimentos, antes da volta dos turistas.

    Mundo

    Para Lara Perdigão, o freio no turismo é um fenômeno que tem se repetido ao redor do mundo, diante de um cenário de instabilidade. O segredo não está em oferecer tarifas mais econômicas, mas experiências mais completas, avalia.

    Mais colunistas

      Mais colunistas