nsc
    nsc

    Milionário

    Luciano Hang compra um dos maiores jatos do mundo, avaliado em R$ 250 milhões

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    31/05/2019 - 13h44 - Atualizada em: 31/05/2019 - 14h16
    Jato Bombardier, de Luciano Hang
    Jato Bombardier, de Luciano Hang (Foto: Arquivo Pessoal)

    A frota de aeronaves do empresário catarinense Luciano Hang acaba de ganhar um reforço de peso: um jato executivo Bombardier Global 6000, um dos maiores aviões particulares do mundo. A aeronave, que tem autonomia para voar de Florianópolis a Berlim, veio do Canadá e custou o equivalente a R$ 250 milhões – R$ 25 milhões só em impostos, Hang faz questão de ressaltar.

    Estreante na lista dos bilionários da revista Forbes deste ano, Hang tem três helicópteros e, com o Bombardier, três jatos, que exigem 11 pilotos contratados e dois mecânicos, mais cinco trabalhadores que atuam nos hangares.

    - Os helicópteros e os jatos são usados exaustivamente para visitar as lojas, inaugurar, construir, escolher terrenos. Chego a fazer mais de 100 horas de voo por mês – afirma o empresário.

    Hang mantém um hangar no Aeroporto de Navegantes, mas o novo jato, por enquanto, é mantido em Porto Alegre por falta de espaço. O Bombardier tem 30 metros de comprimento, e espaço para piloto, copiloto e mais 16 passageiros. O empresário negocia áreas para ampliar o hangar de Navegantes, ou abrir um novo em Florianópolis.

    Agenda internacional

    A chegada do jato mais potente animou Hang para retomar a agenda de feiras internacionais. Até então, as viagens para o exterior eram feitas em aviões de carreira, mas ele acredita que terá mais agilidade com a aeronave particular. A última viagem de negócios, na semana passada, foi para o Vietnã e a Coreia do Sul - ainda em avião comercial.

    Desta vez, Hang preferiu não usar as cores do Brasil para a pintura do novo avião – como fez no ano passado, com seu jato modelo Lear Jet, no período pré-eleitoral.

    - Jatinhos mostram a pujança da economia. Em 2015, na faixa mais acima, onde voam os jatos particulares, não se via mais ninguém, 50% dos aviões estavam parados ou foram vendidos. Houve perda de empregos, pilotos que tiveram que morar fora, na Ásia. (A compra) impulsiona outras pessoas a sonhar. Comprei porque acredito, e só depois que o Bolsonaro ganhou – disse.

    Jato Bombardier
    Jato Bombardier
    (Foto: )

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas