publicidade

Navegue por
Dagmara

Economia

Operadora do Porto de Itajaí fecha contrato de um ano para importação de carros da GM

Compartilhe

Por Dagmara Spautz
23/11/2018 - 15h11 - Atualizada em: 23/11/2018 - 15h11
Novo carregamento de carros chega a Itajaí nesta sexta-feira (Foto: Luiz Carlos Souza, Arquivo Pessoal)

A APM Terminals, arrendatária do Porto de Itajaí, confirmou nesta sexta-feira um contrato para operação de importação de veículos, com validade de um ano. Devido a cláusulas contratuais, a empresa não divulga com que montadora foi fechado o acordo.

No entanto, é público que o porto vem operando desde junho, em movimentações-teste, as cargas da General Motors (GM). O valor do contrato é mantido em sigilo.

Nesta sexta-feira o terminal recebeu mais uma carga de 1,6 mil veículos, que chegaram a bordo do navio Galveston Highway. A embarcação veio do porto de Altamira, no México, onde são montados os veículos. As operações-teste também tiveram, nos últimos meses, desembarque de cargas vindas dos Estados Unidos, Argentina e de outros portos brasileiros.

Com o contrato firmado, a APM Terminals passa a receber a operação com os carros a cada 15 dias, sempre no sistema roll-on, roll-off (Ro-Ro), em que os veículos são nacionalizados dentro do navio e saem rodando até o pátio. Segundo o diretor comercial da arrendatária, José Bechara, o acordo prevê a movimentação de até 40 mil veículos.

_ O potencial desta operação para o segmento automotivo em geral é ainda maior, especialmente pela localização privilegiada de Itajaí como centro de distribuição para as regiões Sul e Sudeste por meio da conexão direta com importantes estradas federais _ comentou.

A APM Terminals arrendou áreas nas proximidades do porto, onde os carros permanecem até embarcarem nos caminhões-cegonha para serem distribuídos entre concessionárias do Sul e do Sudeste do país. Na região Sul, o porto utilizado até então pela GM era somente o de Rio Grande, no Rio Grande do Sul.

Operação delicada

A qualidade da operação com os veículos em Itajaí, que é bastante delicada, foi determinante na celebração do contrato. Uma série de cuidados é necessária para prevenis danos aos carros, e o procedimento precisa seguir rigorosamente o que determina a montadora.

Os portuários que descarregam os veículos, por exemplo, têm que usar jalecos especiais sem botões. Não podem usar cintos, alianças, anéis ou relógios.

Assim que descem dos navios, os carros passam por uma inspeção em armazém coberto e iluminado, dentro do porto, e seguem para armazenagem por um curto período de tempo em um pátio externo, localizado a 1 quilômetro do terminal. O espaço tem vagas demarcadas e é preparado para as manobras dos caminhões-cegonha.

Ricardo Arten, diretor-superintendente da APM Terminals no Brasil, diz que a chegada do novo serviço é resultado de um estudo sobre os potenciais oferecidos por Itajaí “sem comprometer a razão de existir do nosso terminal, que é a operação de contêiner”.

Intermediação

O acordo com a GM foi intermediado pela Investe SC, a Agência de Atração de Investimentos de Santa Catarina _ parceria entre governo e FIESC, para acompanhar a ampliações e prospecções de novos negócios no Estado.

Deixe seu comentário:

Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação