publicidade

Dagmara

Falsificação

Polícia Civil fecha fábrica que produzia réplicas de Ferrari e Lamborguini em Itajaí

Compartilhe

Por Dagmara Spautz
15/07/2019 - 18h45 - Atualizada em: 15/07/2019 - 21h21
Réplicas de Ferrari e Lamborghini (Foto: Divulgação Polícia Civil SC)
Réplicas de Ferrari e Lamborghini (Foto: Divulgação Polícia Civil SC)

O Setor de Investigações Criminais da Polícia Civil (SIC) fechou nesta segunda-feira (15) uma fábrica em Itajaí onde eram produzidas réplicas falsificadas de carros das marcas Ferrari e Lamborghini. Os policiais encontraram oito veículos em produção.

As investigações iniciaram por representação de advogados das duas marcas de luxo. No local, foram apreendidos chassis, moldes, ferramentas e peças de lataria. O caso é considerado crime contra a propriedade industrial.

Segundo o delegado Angelo Cintra Fragelli, responsável pelas investigações, é o primeiro caso semelhante registrado em Santa Catarina. Levados à delegacia para depor, os dois responsáveis pela fabricação, que são pai e filho, disseram que trabalham com customização há cerca de 10 anos – mas só começaram a produzir as réplicas há um ano e meio. À polícia, afirmaram que não sabiam que a construção dos veículos era crime.

— (Acreditamos que) Não condiz com a verdade. A produção ficava num galpão fechado e eles não diziam aos compradores onde os veículos eram produzidos — afirma o delegado.

Réplica de Ferrari
Réplica de Ferrari
(Foto: )

Ferrari com motor de Monza

Os responsáveis pelos carros disseram à polícia que ainda não haviam entregado nenhum veículo. No entanto, o delegado acredita que a fábrica de Itajaí já teria pelo menos dois carros nas ruas. As vendas ocorriam online e os clientes eram de todo o país.

Enquanto os modelos originais custam de R$ 1,5 milhão a R$ 3 milhões, as réplicas eram vendidas a preços que variavam de R$ 180 mil a R$ 250 mil.

Leia também: Detran de SC realiza leilão eletrônico com veículos a partir de R$ 300

Segundo a polícia, em depoimento, os donos da fabricação disseram que compravam as peças da lataria prontas e as montavam sobre um chassi que eles mesmos produziam. Os motores vinham de outros veículos.

— Era possível ter uma Ferrari com motor de Ômega ou Monza — diz o delegado.

A documentação era legal, já que o carro era registrado como protótipo – o que é permitido por lei. O delegado explica é que o crime, nesses casos, é o uso de um design patenteado pelas marcas.

Como se trata de crime de menor potencial ofensivo, os proprietários da empresa foram liberados e responderão ao processo em liberdade. O material recolhido foi entregue às marcas, como determina a legislação em casos como esse.

Réplica
Réplicas
(Foto: )

Leia no NSC Total as últimas notícias

Ainda não é assinante? Faça sua assinatura do NSC Total para ter acesso ilimitado ao portal, ler as edições digitais dos jornais e aproveitar os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

dagmara.spautz@somosnsc.com.br

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade