nsc

publicidade

Dagmara

Taquarinhas

Praia intocada de Balneário Camboriú será leiloada por R$ 230 milhões na segunda-feira

Compartilhe

Por Dagmara Spautz
13/03/2019 - 18h44 - Atualizada em: 14/03/2019 - 13h55
Praia de Taquarinhas
Praia de Taquarinhas

A Caixa Econômica Federal marcou para a próxima segunda-feira (18) o leilão dos seis lotes da orla de Taquarinhas, a última praia intocada de Balneário Camboriú. O lance inicial é de R$ 230 milhões.

Do total, 5% têm que ser pagos à vista. Os outros 95% podem ser parcelados, por meio de financiamento bancário. Se não houver interesse no primeiro leilão, a área será oferecida mais uma vez.

É o que determina a lei que regulamenta esse tipo de transação. Taquarinhas pertencia a um grupo paranaense, que tinha intenção de construir ali um resort.

Sem autorização para construir, a área foi entregue pela empresa ao banco como garantia de um empréstimo. A construtora não pagou, e os terrenos foram tomados pela Caixa.

O edital do leilão, publicado pelo leiloeiro oficial Schmitz, alerta que a área é de preservação permanente e, para construir no local, é preciso consultar as autoridades competentes.

Taquarinhas aguarda decreto de preservação

Taquarinhas é uma das últimas joias intocadas do Litoral Norte, e o prefeito Fabrício Oliveira (PSB) disse que há intenção de tornar a área um parque ambiental. Ele chegou a enviar um ofício à Caixa, propondo a preservação.

O vereador André Meirinho (PP) mobilizou, nas últimas semanas, a Comissão de Meio Ambiente da OAB, a ONG Ideia e o Laboratório de Gerenciamento Costeiro da Univali para auxiliar a prefeitura na proposição de um decreto. O grupo se reuniu com o prefeito há cerca de duas semanas, colocando-se à disposição. Mas, até agora, o prefeito ainda não publicou o documento que poderia garantir a conservação da praia.

A preservação de Taquarinhas também assunto na Assembleia Legislativa. O deputado estadual Ivan Naatz (PV) resgatou a proposta de criação de um parque estadual. Uma primeira versão já tramitou na Alesc e chegou a ser analisado em audiência pública. Mas acabou engavetada, depois de ter passado um longo período em análise pelo deputado Marcos Vieira (PSDB), que integrava as comissões de Finanças e Constituição e Justiça. Quando terminou a legislatura do proponente, o então deputado Sargento Soares, foi arquivado.

O novo projeto, apresentado por Naatz, iniciou tramitação na Comissão de Constituição e Justiça, mas foi encaminhado ao Instituto do Meio Ambiente (IMA) para parecer técnico. O envio foi a pedido do deputado Onir Mocellin (PSL), líder do governo na Casa.

Deixe seu comentário:

Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

dagmara.spautz@somosnsc.com.br

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade