O deputado estadual Marcius Machado, líder do PL na Alesc, devolveu o projeto que cria o duodécimo da Defesa Civil em Santa Catarina para tramitação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), em meio à tragédia climática que atinge o Rio Grande do Sul. A proposta, que torna mais robustos os recursos para liar com desastres climáticos no Estado, estava engavetada desde setembro do ano passado.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

Havia expectativa de que o projeto retornasse a tempo de ser votado pela Comissão durante a sessão itinerante de Blumenau. Seria um gesto do Legislativo, já que o Vale do Itajaí é historicamente a região do Estado que mais sofre com enchentes. Mas a proposta ainda não havia sido liberada pelo deputado, que não compareceu às sessões.

A proposta do duodécimo é do deputado Camilo Martins (Podemos) e começou a ser debatida no fim do ano passado na CCJ. O projeto prevê que o percentual destinado à Defesa Civil aumente dos atuais 0,27% para 0,50% da receita do Estado, seguindo o mesmo modelo de repasse que é feito aos poderes – Tribunal de Justiça, Ministério Público, Alesc, Tribunal de Contas – que têm um repasse fixo mais significativo no orçamento.

Estabeleceu-se que 30% dos recursos destinados à Defesa Civil seriam direcionados à prevenção e os 70% restantes ao combate de desastres.

Continua depois da publicidade

A ideia ganhou a adesão de vários parlamentares, que apresentaram contribuições prévias. Inclusive a proposta de negociar com os demais poderes para que o financiamento não dependa apenas do Governo do Estado, inclua contribuições de todas as esferas.

O deputado Marcius Machado solicitou uma revisão na Comissão de Constituição e Justiça após apresentação de parecer favorável do relator, deputado Napoleão Bernardes (PSD). Internamente, na CCJ, a informação é que a interrupção de tramitação teria sido um pedido do governo.

A coluna procurou o deputado, que não respondeu durante a tarde.

Destaques do NSC Total