A alta demanda por água mineral engarrafada no Rio Grande do Sul – tanto para os supermercados, quanto para doações – tem dificultado o abastecimento em algumas regiões de Santa Catarina. A Associação Catarinense de Supermercados (Acats) diz que se trata de um problema pontual que não é causado por falta do produto, mas por dificuldade na logística de entrega e na produção de embalagens.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

Nesta terça-feira (14), supermercados da rede Bistek, que também atua no Rio Grande do Sul, limitaram a venda de água mineral engarrafada a dois fardos por consumidor. Em nota enviada à coluna, a empresa esclareceu que a medida é temporária, para atender o maior número possível de pessoas.

“O Bistek ampliou o volume de compra de água mineral para abastecer suas lojas, mas enfrenta dificuldades para garantir o atendimento a toda a demanda. Há limitação de abastecimento pelas próprias envasadoras. Diante disso, a rede direcionou o envio de mais da metade da água recebida para suas unidades no Rio Grande do Sul. O contexto exigiu a limitação temporária da quantidade vendida a cada cliente em Santa Catarina, para garantir o atendimento ao maior número possível de pessoas”.

Associação Catarinense de Imprensa sai em defesa dos jornalistas atacados no RS

Continua depois da publicidade

Um dos problemas é a sazonalidade de demanda por água mineral. Nesta época do ano, a produção costuma ser menor do que no verão – por isso, a indústria não estava preparada.

Octavio Neto, diretor executivo da Acats, que tem mantido contato com supermercadistas de diferentes regiões do Estado, explicou que algumas empresas fornecedoras também não estão conseguindo transporte suficiente para dar vazão aos estoques de água.

Tragédia do Rio Grande do Sul fez o Brasil enxergar o brasileiro

– A empresa Fonte Sarandi Águas Minerais entrou em contato com a Acats para informar que está sem meios de entregar os produtos para doações e também os produtos já vendidos para empresas catarinenses, pois seus caminhões estão “presos” por conta da enchente. Os próprios supermercados estão se organizando para buscar a mercadoria, seja para venda ou doação – explicou.

A Acats informou que, caso o estoque da água falte em algum momento, deverá ser reposto em questão de poucos dias, conforme contato com as indústrias.

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total