nsc
    nsc

    Opinião

    Um país que não respeita seus mortos está gravemente doente

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    11/06/2020 - 15h21 - Atualizada em: 11/06/2020 - 15h24
    Pai recoloca cruzes em homenagem às vítimas da covid-19
    Pai recoloca cruzes em homenagem às vítimas da covid-19

    As imagens das cruzes derrubadas por um cidadão na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, nesta quinta-feira (11), é uma das cenas mais tristes e simbólicas que o Brasil produziu em meio à pandemia. Chegamos ao extremo da desumanidade.

    A dor do pai que reinstalou as cruzes, dizendo ter perdido um filho jovem e saudável para o novo coronavírus, é tocante. Em que momento perdemos a capacidade de nos solidarizarmos com o sofrimento? Onde nos perdemos?

    É emblemático que o episódio desta quinta-feira ocorra durante a celebração de Corpus Christi. Para os católicos, a data lembra a morte e a ressurreição de Jesus. Refere-se à última ceia, o momento em que Cristo se despediu dos apóstolos.

    Num país de tradição cristã, como é o nosso, saber que a pandemia tirou a dezenas de milhares de famílias brasileiras o direito ao último adeus, deveria ser suficiente para suscitar empatia.

    Ao invés disso, nos ocupamos em aprofundar as diferenças. Politizamos as providências necessárias para conter a doença, do isolamento social ao protocolo medicamentoso. Para tudo, há um lado. Em vez de criar pontes, aprofundamos os abismos.

    À morte não importam crença, ideologia política ou conta bancária. 

    Cenas perversas como a desta quinta-feira são a prova de que o Brasil é um país doente de indiferença. Uma doença crônica, alimentada por uma profunda desigualdade, que em situações-limite eclode em crises agudas.

    O desafio do Brasil é gigante. Para reconstruir o país após a pandemia, não bastará vencer o coronavírus.

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas